OZ de Oliveira (Crônista)

Um dos fatos que mais sinto orgulho de meu povo …

O povo brasileiros os brasas como os primeiros portugueses que aqui chegaram nós, chamavam foi o fato 1623.  Quando na guerra do açúcar, como ficou conhecida está guerra. Entre Portugal e Holanda que por sinal já havia invadido o Recife e como também salvador.

Estávamos em plena guerra portugueses e espanhóis lutavam pela terra de Vera Cruz, ombro a ombro contra os holandeses no norte de nosso paraíso. Quando em uma invasão de surpresa na orla de copa cabana no Rio de Janeiro, 52 navios de bandeira holandesa de bravo poder de fogo nos pegaram de surpresa.

Neste momento a guarda nacional, já estava praticamente vencida. Quando jovens estudantes dos mosteiros pularam. Os muros de suas escolas, munidos apenas de paus e pedras; eu um em mensurável amor à pátria partiram, contra os holandeses em defesa de nossa bandeira que se obrigaram a partir em retiradas deste dia pra cá se fez, sentido.

O flâmula do hino da bandeira brava gente brasileira ou deixar o pátria livre ou morrer pelo Brasil… A esquerda nunca foi comunista nem não guerrilheira nem vendida por meia dúzia de charutos e cachaça e esquerda, é humana, é a memória do Brizola do Enéias, não está chapa cheia de discurso de ódio.

Apresentem ideias soluções mais por favor chega de me encher os ouvidos de crítica que não levam a lugar nem um. Os frangos não voam, os bois não sonham e povo não pode ser feliz… certo ? Não vamos sair e lutar contra, tudo e todos, quando acabar o confinamento vamos pensar se vale, a pena viver, está vida sem sentido ou ajudar a construir um pátria forte Brasil o celeiro do mundo.