Maryanne Mattos, Colunista da Coluna da Mulher

Você é daqueles que leva sua mãe para almoçar fora ou então reúne a família inteira pra comemorar no almoço de domingo? Pois é, este dia das mães de 2020 está longe do que imaginávamos e planejávamos. Quando a pandemia começou, muitos de nós não pensávamos que, hoje, em maio, ainda estaríamos em casa, mantendo o distanciamento social. Mas precisamos pensar que, se amamos nossas mães e filhos, o distanciamento social é a maior prova de amor que podemos dar neste dia.

Por isso, este domingo vai ser diferente para muitos de nós: sem a presença física da nossa mãe. A boa notícia em meio a tudo isto é que temos a ajuda da tecnologia, que permite fazer uma ligação por vídeo e trocar mensagens para tentar matar a saudade. E é assim, por meio dela, que vamos substituir o abraço apertado que costumamos dar nesta data.

Sabe o que isso me lembra, de estarmos dentro de um lugar, fechadinhos sem poder sair para nada? Que voltamos à época do ventre materno, onde só é possível ouvir, sentir e esperar o momento certo para sair deste local que protege desse mundão lá fora. E para quem já teve a felicidade de gerar uma vida no seu ventre, como é gostoso aquele momento que parece que nosso corpo vira uma fortaleza, protegendo nosso bebê de todo mal que possa existir.

É, mamães, continuamos sendo esta fortaleza. Independente do modo de comunicação, a distância ou dentro de casa, mães e filhos se voltam para um momento de acolhimento e proteção. Os filhos pedindo proteção; as mães se mostrando fortes e protegendo e vice-versa. Como no ventre, que um cordão nos conectava ao bebê e nos fazia saber que estávamos juntos, hoje o “cordão umbilical” que liga mães e filhos passa a ser as fibras óticas, as conexões das redes sociais. É um cordão virtual tão importante e vital para todos nós neste momento, para que possamos estar ligadinhos, mães e filhos, muitas vezes apenas para nos olharmos, para nos ouvirmos, para mandarmos beijinhos cheios de emojis… Não importa como, o que importa é o amor enviado um para o outro.

Então, se você é mãe: FELIZ DIA DAS MÃES! Se você é filho, reinvente-se! Uma coisa é certa: é preferível deixar de comemorar presencialmente este ano, evitando ter contato físico para que ela e você continuem em segurança.

Qual será o desejo das mães neste dia? Perguntei para algumas mulheres e a resposta foi unânime: que essa pandemia termine e que todos tenhamos SAÚDE para que possamos passar esta data juntos em outros anos.