O Governo do Estado ativou mais dez leitos de UTI na Grande Florianópolis na sexta-feira, 17. Serão cinco leitos extras de terapia intensiva no Hospital Celso Ramos, na Capital, e outros cinco no Instituto de Cardiologia, em São José. A informação foi repassada pelo secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, aos prefeitos das quatro maiores cidades da região em uma reunião virtual nesta manhã. 

No encontro, o secretário também reafirmou a ativação de aproximadamente mais 20 leitos de UTI em hospitais da rede própria do Estado nas próximas semanas. Além disso, o Governo dará apoio com equipamentos para mais 10 leitos intensivos no Hospital de Biguaçu e 10 no Hospital de Caridade. Como as duas unidades não são gerenciadas diretamente pelo Estado, foi pactuado um apoio financeiro dos municípios no custeio.

“Nós havíamos sinalizado com a possibilidade de colocar 50 novos leitos de UTI na rede da Grande Florianópolis dentro das próximas semanas. Com o somatório dos leitos que pretendemos ativar nos hospitais de Caridade, de Biguaçu, no Celso Ramos, no Nereu Ramos, no Hospital Florianópolis, no Regional de São José e no Instituto de Cardiologia, nós devemos chegar a esse número”, destacou o secretário.

Também durante a reunião, Motta Ribeiro apresentou uma proposta aos prefeitos de transferir temporariamente os pronto-atendimentos de pediatria do Hospital Regional e do Hospital Florianópolis para as UPAs da região por um período de 90 dias. O secretário destacou que a medida poderá provocar alguns transtornos, porém permitirá uma ampliação temporária das UTIs.

“A intenção é de proteger as crianças, ao tirá-las de ambientes onde há a circulação de pacientes Covid. E também oferecer mais serviços para pacientes com o coronavírus. O Estado auxilia os municípios com o RH e que mais for preciso. Dessa forma, também consegue estruturar as unidades para o enfrentamento da doença”, ressaltou Motta Ribeiro.

Outra informação repassada pelo secretário aos prefeitos é que o Estado abrirá, na próxima semana, edital para chamamento de leitos de UTI na rede privada, caso o cenário aponte essa necessidade.