PostSob a perspectiva da pandemia de covid-19 e saúde única – conceito que expressa a dependência da saúde humana em relação à saúde do planeta -, o jornalista André Trigueiro debateu desenvolvimento econômico sustentável, educação ambiental, saneamento básico e desigualdade social durante evento virtual do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) nesta sexta-feira (17/7). Na transmissão pelo canal da instituição no YouTube, Trigueiro interagiu com espectadores de todo o Brasil respondendo a diversas perguntas encaminhadas via chat.

O repórter da TV Globo, referência nacional em jornalismo ambiental, argumentou a favor da urgente necessidade de entender a relação estabelecida entre a espécie humana, a fauna e a flora, que precipita o risco de aparecimento de novas doenças. “Nesses mais de quatro meses de pandemia no Brasil, me parece importante falar sobre a recorrência com que problemas de saúde causados por novos vírus têm relação direta com uma maneira açodada – e eu diria promíscua – com que a espécie humana promove desmatamento, relacionamento com animais silvestres e produção de proteína animal”, comentou Trigueiro.

A Coordenadora do Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente (CME) do MPSC, Promotora de Justiça Luciana Cardoso Pilati Polli, conduziu a transmissão e reiterou a importância de discutir as relações humanas com o meio ambiente, especialmente no contexto de pandemia. “Se, por um lado, a pandemia nos trouxe alguns ganhos ambientais passageiros, como a redução da poluição; por outro lado, também nos traz à tona diversos antigos problemas, dentre eles a crise hídrica e o desmatamento, a escassez de água potável, a falta de saneamento básico, a ocupação desordenada das cidades e flexibilização de normas ambientais”, considerou.

Essa foi a quarta edição do projeto Webinars MPSC/CEAF, iniciativa que visa a abordar temas de interesse público de forma dinâmica e interativa. Até a manhã desta sexta-feira, quase 500 pessoas já haviam assistido ao debate. Confira a transmissão na íntegra no vídeo abaixo:

live 

André Trigueiro é repórter da TV Globo, editor-chefe do programa “Cidades e Soluções” e comentarista dos programas “Estúdio i” e “Em Pauta”, na Globonews, e colunista das rádios CBN (RJ) e Boa Nova (SP), além de ser professor e criador do curso de Jornalismo Ambiental da PUC-Rio. Trigueiro também é autor de vários livros, entre os quais “Viver é a melhor opção: a prevenção do suicídio no Brasil e no mundo” e “Cidades e soluções: como construir uma sociedade sustentável”. Veja a seguir alguns dos tópicos abordados pelo jornalista durante a transmissão.

Economia, meio ambiente e desenvolvimento sustentável

Para o repórter, é possível conciliar economia e meio ambiente, ainda que isso incomode certos interesses públicos e privados. “As soluções existem; o que não faltam são argumentos e fundamentos técnicos, tecnológicos, científicos, filosóficos, éticos, religiosos para acelerar o passo na direção de outro projeto de desenvolvimento que promova, em linhas gerais, um novo modelo energético descarbonizando a atmosfera e uma produção agrícola ética que não expanda a fronteira na direção de florestas nativas”, considerou Trigueiro.

E contrapôs o potencial do Brasil de liderar o planeta na direção de uma economia de baixo carbono e de produção agrícola sustentável a estudos divulgados recentemente pela revista Science. Conforme o jornalista, as pesquisas demonstram que 20% da soja e 30% da carne brasileira têm origem em florestas derrubadas ilegalmente.

“No último um ano e meio, não temos políticas até agora definidas de proteção do desmatamento, climáticas, indigenistas. Deliberadamente, o Governo Federal desvinculou o planejamento estratégico do Brasil dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), razão pela qual há muitos motivos para nos preocuparmos”, complementou o jornalista.

Sanção do novo Marco de Saneamento Básico do Brasil

Cem milhões de brasileiros sem esgoto tratado e 35 milhões de brasileiros sem acesso à água potável. Os dados mencionados pelo jornalista são, conforme explicou, consequências da ausência de metas e de prazos para a universalização do acesso a serviços fundamentais. Sancionado em julho pelo Presidente da República, o Projeto de Lei 4.162/2019 (Lei n. 14.026/20) determina a realização de licitação, com participação de empresas públicas e privadas, para abastecimento de água e esgotamento sanitário.

Sobre o assunto, Trigueiro comentou que “o edital da licitação vai determinar aquilo que eleva ou não o sucesso da concessão. É preciso promover a equação que permita o lucro sem esvaziar o direito das pessoas mais pobres de terem um serviço de qualidade”.

Consumismo e educação ambiental

“Nesses meses de isolamento, de não confraternização, ficamos mais recolhidos e muitos de nós certamente tivemos a chance de reavaliar escolhas, posicionamentos, ímpetos consumistas”, considerou o jornalista. No entanto, comentou também que “não se muda a cultura por decreto”. Para Trigueiro, “estamos imersos numa cultura consumista, que idolatra a Black Friday e um Natal pagão. Inventamos uma festa comercial, em que não raro esquecemos do aniversariante”.

Nesse cenário de consumismo desenfreado, destacou a importância da educação ambiental para que crianças e adolescentes possam visualizar e compreender os impactos de indústrias e do consumo no meio ambiente. “Eu acho que a grande meta é não replicar o analfabetismo ambiental. Precisamos eleger como meta que nossos filhos não saiam da escola ignorantes em relação à crise ambiental, sem precedentes na história da humanidade”, completou.

Pensar globalmente, agir localmente

Separação dos próprios resíduos é apenas uma dos exemplos citados por Trigueiro para ser “um cidadão ecológico planetário”, característica que precisa ser assumida por todos. Nesse sentido, parabenizou também a capital catarinense por ser “a primeira cidade Lixo Zero do Brasil, que determinou prazos e metas para reduzir drasticamente a produção de lixo seco e lixo orgânico”.

Em parceria com a Polícia Ambiental, o Programa Lixo Nosso de Cada Dia, desenvolvido pelo MPSC, tornou o estado pioneiro no país ao promover a eliminação de 100% dos lixões em Santa Catarina antes do prazo estabelecido pela Política Nacional de Resíduos Sólidos. É por garantir o cumprimento da política ambiental, prevista na Constituição como algo indelével, e de direitos fundamentais que o jornalista destacou também a importância da atuação do Ministério Público.

“O MP é uma conquista civilizatória. O trabalho de vocês é inestimável e fundamental, lubrifica as engrenagens da democracia. Não há democracia sem MP, assim como não há democracia sem imprensa livre”, disse Trigueiro.