A vítima também receberá pensão mensal no valor de um salário mínimo, desde a data do acidente até seu 75º aniversário, a ser paga de uma só vez. A decisão foi proferida pelo juiz substituto Tiago Loureiro Andrade, que coopera na 1ª Vara Cível de Araquari.

Consta nos autos que a condutora do veículo, ao tentar desviar de um veículo que transitava em sentido oposto da BR-280, perdeu o controle do veículo e atropelou a pedestre no acostamento. Os ferimentos da vítima foram graves, desde fratura de fíbula direita e cotovelo esquerdo, além de suspeita de fratura cervical e escoriações diversas.

 

Em sua decisão, o juiz ressalta que a causa provável do acidente indicou “falta de atenção” e que os prejuízos materiais que a mulher teve foram enormes e devem ser reparados na sua integralidade.

A razoabilidade é o critério. Pondero, quanto ao fato, sua gravidade e extensão, notadamente quanto ao fato de a vítima ser pessoa jovem, que se vê acometida de sequelas que comprometem sua rotina e impedem sua inserção no mercado de trabalho. A pensão é concedida devido a impossibilidade dela de prover seu sustento por meio do trabalho, devido às lesões decorrentes do acidente, expõe o magistrado.