UM RETORNO – 1970
Estima-se que 100 a 200 argelinos se manifestaram de maneira pacífica pelas ruas
de Paris, sem estarem armado. Brutalmente assassinados pelas forças policiais da
época. Durante muito tempo, este fato havia sido ocultado pelo poder, o massacre
nunca fora reconhecido em sua íntegra. Outono de 17 de outubro de 1961, a
mortalha colocada nos inocentes, provocava lembranças aterrorizantes.
O PORTADOR: – Ainda ouço os gritos! – Acordou assustado.
O portador havia voltado a Paris cerca de dois meses atrás, portando um objeto a
qual deveria a todo custo preservar, para que não caísse em mãos erradas.
O PORTADOR: – Parece que isso nunca termina, e é necessário esperar até uma
mística surge de fato. – Um pensamento interno.
VISITA AO BANCO
GERENTE DO BANCO: – Eu guardei em um lugar seguro!
O PORTADOR: – Assim deve ser, até que… – É interrompido.
GERENTE DO BANCO: – Até que…qual é a história?
O PORTADOR: – Houve em Paris um massacre de argelinos, e isso está
relacionado a este artefato da caixa, a qual eu te pedi para esconder. – Sussurrando.
GERENTE DO BANCO: – Eu ainda estou sem entender? – Desejando saber mais
sobre o assunto.
O PORTADOR: – Você merece saber a verdade… – Disse com cautela.
O portador e o gerente do banco se conheciam, pois eram amigos de infância,
quando morava em Londres. Então, a história aos poucos foi sendo contada, de
modo que a perplexidade, misturado ao susto, causava no gerente uma certa onda
de sentimentos: medo, espanto, falta de ar…
GERENTE DO BANCO: – E você acredita mesmo que ela voltará?
O PORTADOR: – Eu espero! – Afirmando.
GERENTE DO BANCO: – E enquanto ao homem de quem me falou?
O PORTADOR: – Tudo depende dos dois! De ninguém mais, meu amigo!
Ao deixar o velho parceiro, pairou no ar o suspense. Ao que tudo indica, um mistério
envolve a trama e tece teias a se unirem numa espécie de lacuna, tensão. Como
duas pessoas, supostamente, nem se conhecem, podem se entrelaçar? Anos
diferentes, vão permanecendo obscuros, a medida em que a cronologia vai
passando…Quem é o portador? Anjo ou demônio? Ou somente um agente secreto?
O retorno ao fato histórico, só lança dúvidas, e as perguntas não são
respondidas imediatamentes. Outros capítulos virão!