Após pesquisas, os discentes concluíram que o teste com drones poderia ser feito na Drogaria Asa Branca, localizada no centro de Quatá. O local faz entregas por motocicletas e aceitou a proposta dos estudantes. Para facilitar a compra dos clientes, a equipe desenvolveu o aplicativo “Drone Entrega”, que disponibiliza a aquisição dos produtos mais vendidos pelo estabelecimento e possibilita o pagamento direto do produto com o uso de cartão de crédito ou débito automático.

No relatório final do Projeto Integrador, o grupo explica que as entregas podem ser feitas, de acordo com a legislação, em um raio de 1.000 metros e apresenta outras especificações. “Os medicamentos entregues não devem ser controlados, nem líquidos ou embalados em recipientes de vidro para maior segurança nos voos. O fármaco vai em uma sacola, que será solta dentro do terreno do cliente”.

Os alunos acreditam que a utilização da tecnologia na entrega de produtos é uma tendência mundial e demonstra diversas vantagens. “Em países desenvolvidos, a entrega feita com drones é usada para inúmeras encomendas. A atividade é rápida, feita em minutos, o que diminui o tempo de espera do cliente. É ainda benéfica para o meio ambiente, pois o aparelho não utiliza combustíveis fósseis, usa energia elétrica, que é renovável, limpa, barata e de fácil acesso”, afirma a equipe do PI.

Resultados

O teste da entrega de remédios via drone foi feita com o morador Júlio, que reside a aproximadamente 500 metros da Drogaria Asa Branca. Ele solicitou um medicamento para gripe por meio do aplicativo, efetuou a compra e, após a aprovação do pagamento, recebeu o produto em menos de dois minutos.

Para o grupo, a avaliação do projeto foi positiva. ‘Obtivemos ótimos resultados com a entrega via drone. O pedido foi conduzido de forma eficiente e o cliente ficou satisfeito com o processo, até mesmo por receber um produto de maneira tão diferente da convencional”.

Confira o vídeo do PI, aqui.

undefined