O Brasil chegou nesta semana ao triste número de 98 mil mortes por Covid 19 e quase três milhões de pessoas infectadas. Nosso sistema de saúde não está conseguindo atender a demanda e o isolamento social ainda é a melhor forma de prevenção e de redução da contaminação.

O sistema de saúde, que já era limitado antes da pandemia, alterna momentos de caos e revela falta de planejamento e organização por parte de nossos governantes. Ainda faltam leitos de UTIs para atender pacientes de Covid 19. Quando se adquire novos respiradores, faltam monitores. Com a chegada de monitores, falta equipe multiprofissional em unidade de terapia intensiva. E quando tudo está completo, faltam anestésicos e bloqueadores para pacientes de Covid 19 entubados em UTIs.

Os Órgãos de controle e fiscalização, como o Ministério Público de Santa Catarina, através da instauração de procedimentos administrativos, expedição de recomendações e de ajuizamento de ações civis públicas, tem realizado um trabalho incansável na melhoria e no funcionamento do sistema de saúde.

Sabemos que em breve todos serão vacinados e com isso nossas vidas voltarão ao normal. Só não sabemos quando. Mas até lá precisamos nos cuidar, manter o isolamento social e seguir as regras básicas ao sair de casa, quais sejam: usar máscara e álcool em gel e evitar aglomerações.

É muito importante nos mantermos distantes, mas conectados, não podemos perder a conexão com amigos, familiares e colegas de trabalho, hoje facilitada pelos celulares e internet.

Para tornar o isolamento tolerável é muito importante construir rotinas diferentes em casa. Buscar atividades de interação com familiares, ler, estudar, pintar, escrever, ouvir música e manter atividade física. Com a atividade remota, é possível intensificar atividades realizadas através da internet, como substituição de aulas presenciais, atendimentos médicos e psicológicos e reuniões de trabalho.

Precisamos nos reinventarmos, pensar no coletivo, cuidar da nossa família. Ter paciência e amor ao próximo, pensar positivo e fazer a nossa parte, pois será fundamental para superarmos este momento que, com certeza, irá passar.

Luciano T. Naschenweng, Promotor de Justiça da Saúde.