Asinhas de frango exportadas para a China supostamente contaminadas com o novo coronavírus e doação de material inservível para isolar xoklengs em José Boiteux foram destaques da sessão de quarta feira (19) da Assembleia Legislativa.

“A notícia é de que um lote de frango brasileiro, no caso da Aurora, tinha sido barrado por autoridades sanitárias de Hong Kong, Filipinas e China, porque viram traços do coronavírus e lançaram um alerta. Não há trabalho científico que prove que a carne, mesmo contaminada, transmite para o ser humano. A China ainda não fez nenhuma manifestação”, informou Doutor Vicente Caropreso (PSDB).

Para o parlamentar, trata-se de “suspeição sem base sustentada”, que exige ação diplomática vigorosa “para proteger e desmistificar a produção brasileira”.

Moacir Sopelsa (MDB) concordou com o colega e aventou a possibilidade da ida de uma missão brasileira à China.

“A Secretaria e o Ministério da Agricultura se manifestaram, a Associação Catarinense de Produtores de Aves se manifestou, é impossível que o produto que está sendo condenado na China pudesse ter o vírus Covid-19. A carne passa alguns dias no porto, passa um mês no navio congelada, isso nos deixa muitas dúvidas”, admitiu Sopelsa, acrescentando que é preciso “ir à China esclarecer o fato”.

Já o deputado Padre Pedro Baldissera (PT) denunciou que os xoklengs de José Boiteux, no Alto Vale do Itajaí, reivindicaram suporte para isolamento dos membros da comunidade com diagnóstico positivo para Covid-19, mas receberam material inservível.

“Fomos surpreendidos por manifestações relatando que haviam recebido 50 camas, 50 colchões e 50 cobertores para o isolamento, mas o material não tem qualquer condição de uso, os colchões estão deteriorados, as camas sem estrutura, os cobertores sujos e rasgados e não há qualquer informação sobre a procedência do material”, descreveu Padre Pedro.

O ex-prefeito de Guaraciaba ponderou que há 102 casos positivos e dois óbitos entre os xoklengs de José Boiteux.

“E seguem sem estrutura para isolar as pessoas. Apelo à Funai e ao governo federal para que se reúnam com as lideranças das aldeias do estado e ouçam as reivindicações das populações originárias”.

Imposto de grandes fortunas
Luciane Carminatti (PT) defendeu a reforma tributária, atualmente discutida no Congresso, e propôs tributar grandes fortunas.

“O peso dos impostos recai sobre os ombros da classe média e dos mais pobres e contribui para concentração de renda”, garantiu Carminatti, explicando em seguida que enquanto os mais pobres gastam 1/3 do que ganham com impostos, os mais ricos gastam apenas 1/5.

Carminatti criticou a proposta do ministro Paulo Guedes.

“A ideia é simplificar os impostos sobre o consumo, criando um imposto com alíquota de 12% para todos os serviços, menos para os banqueiros, para quem não chegará a 6%. A proposta é isentar banqueiros e taxar livros, somos totalmente contrários, não mexe com imposto sobre a propriedade e sobre as grandes fortunas”, justificou.

Segundo a representante de Chapecó, o país precisa de um imposto sobre herança no estilo do imposto americano, para incentivar que as pessoas, ainda em vida, utilizem seus patrimônios “em algo positivo para a sociedade”.

Hora de agradecer
Sargento Lima (PSL), presidente da CPI dos Respiradores, que encerrou os trabalhos na segunda-feira (18), fez um longo agradecimento aos que contribuíram para o bom funcionamento da comissão.

“Quero agradecer a segurança, o serviço de copa, sempre preocupados com o nosso conforto, a equipe da Comissão, o procurador Rosa, o delegado Fortkanp, todos os deputados membros que tiveram paciência comigo. Cresci muito com o conselho de cada um deles, ontem, sentado naquela cadeira aos pés da cruz, a gente vê que não é uma cadeira fácil de sentar”, admitiu Lima.

O deputado também agradeceu a cobertura da TVAL, da Rádio Alesc, das mídias digitais da Casa e da imprensa local e regional.

“Os órgãos de imprensa foram bastantes justos e foi a partir da imprensa que tivemos conhecimento do fato gerador da CPI dos Respiradores”, reconheceu Lima, que não esqueceu os agradecimentos às assessorias dos deputados membros da CPI, à assessoria do seu gabinete e à esposa.

Ada de Luca (MDB) e Valdir Cobalchini (MDB) avaliaram o resultado final da CPI.

“Quero parabenizar todos que fizeram parte, ficou bastante evidente a responsabilidade do governador, por dois motivos: foi omisso, considerando a responsabilidade do cargo e a gravidade do momento; foi relapso, a operação resultou em desperdício de R$ 33 mi, com esse dinheiro quantas UTIs a mais poderiam ter sido ativadas no estado?”, questionou Ada.

“A CPI não virou em pizza, nós fizemos a nossa parte, agora cabe ao Ministério Público, nós não julgamos, não condenamos, fornecemos elementos importantes, contundentes”, discursou Cobalchini.

Aumento de 8,42% da energia elétrica
Marcius Machado (PL) criticou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) pela autorização para que a Celesc reajuste a energia em 8,42%.

“O lucro da Celesc subiu 93% no primeiro semestre, foram R$ 144 mi, os acionistas estão de sorriso largo. Mas é um desrespeito, principalmente com o setor privado, que está tendo desemprego acelerado, e de repente a Celesc busca um aumento de 8,42%, sendo que o IPCA dos últimos 12 meses foi de 2,13%”, argumentou Machado.

O representante da Serra sugeriu aos membros da bancada federal que revertam o aumento autorizado pela agência reguladora.

Curva apontando para cima
Ada de Luca fez um relato das reuniões de avaliação dos gastos públicos para debelar a pandemia causada pela última versão do coronavírus.

“Ouvimos relatos de angústia e apreensão de prefeitos, ouvimos do secretário que o número de casos vai aumentar, que a curva ainda aponta para cima, mas 1.889 já entraram em óbito até ontem e 124 mil tiveram resultados positivos”, relatou Ada, registrando em seguida que a taxa de letalidade é maior que 1,5%.

Ada destacou que 347 dos 1.889 mortos não tinham comorbidades, nem faziam parte de grupos de riscos

“O que me assusta é que tem gente que não acredita”, lamentou Ada, que cobrou informações claras da SES sobre a quantidade de leitos de UTIs.

“Em Joinville, de 85 restam cinco; em Criciúma restam cinco; Chapecó, quatro; em Balneário Camboriú estão todos ocupados”, registrou a representante de Criciúma, que elogiou a atuação dos hospitais filantrópicos.

Tiro na cabeça
Jessé Lopes (PSL) repercutiu o caso da menina de 10 anos estuprada desde os seis anos por um tio.

“Triste notícia o estupro de criança de 10 anos por alguns anos por seu tio e provavelmente por outros integrantes da família. Devia levar um tiro na cabeça, juntamente com os outros que está denunciando e que provavelmente cometeram essa atitude”, afirmou Jessé.

De acordo com o representante do PSL, o estuprador foi preso por tráfico e porte de armas ilegal em 2011 e em 2017 progrediu para o regime semiaberto.

“Era para estar preso e estava solto pela facilidade da política de encarceramento”, criticou.

Greve dos Correios
Padre Pedro repercutiu na sessão a greve dos servidores dos Correios.

“Denunciam más condições de trabalho durante a pandemia, temos casos de pessoas expostas ao contágio, sem estrutura, nem medidas de proteção”.

Aldo Schneider
Membros da bancada do MDB, à frente Jerry Comper (MDB), lembraram a passagem de dois anos de morte do ex-presidente da casa, deputado Aldo Schneider.

“São dois anos do falecimento do deputado Aldo Schneider, guardo um carinho muito grande e gosto de relembrar, quero deixar um registro de saudade e de gratidão pelo grande político que foi”, pontuou Jerry.

“Foi tirado do nosso convívio muito cedo, mas era sua vez, era o seu tempo e Deus sabe o que faz”, avaliou Ada.

“Dois anos da partida do nosso querido amigo e irmão, que partiu no auge de sua carreira. Conheci-o como prefeito de Vitor Meireles, uma liderança local e regional muito forte, trabalhador, dedicado ao extremo e que ocupou espaços importantes. O Aldo faz muita falta, era um emedebista histórico, foi vereador, prefeito, secretário, deputado, uma pena que não se encontre aqui junto conosco”, indicou Cobalchini.

“Um homem de conversa clara e franca com os colegas”, apontou Luiz Fernando Vampiro (MDB).

“Convivi com o Aldo na Assembleia e na Secretaria da Agricultura, mas tenho certeza que deixou o representante dele”, declarou Sopelsa, aludindo ao deputado Jerry Comper, na campanha chamado de “Jerry do Aldo”.

“Um grande amigo, fomos prefeito juntos, chegamos a deputado juntos, que Deus o tenha em lugar de destaque”, expressou Mauro de Nadal (MDB), vice-presidente da Casa.

Bombeiros x tornados
Coronel Mocellin (PSL) detalhou a ação de bombeiros militares e voluntários nos municípios atingidos por um tornado na tarde da última sexta-feira (14).

“Bombeiros de todo estado e pessoas voluntárias estão atuando em Água Doce, Catanduvas, Ibicaré e Vargem Bonita e já foram entregues 40 mil telhas, 250 cestas básicas e mais de mil colchões”.