Ricardo Oliveira Colunista da Coluna da Poesia

lua sabe que li as tuas poesias!
E sabe no que penso,
No que sinto,
No que almejo.

E onde gostaria de estar.
Encontro-te em meio as lágrimas,
Porque a nau deixou-me pra que eu possa,
Sem restrições ou mágoas,
Ver-te em meio às tulipas,
Minhas flores, minhas preciosidades.

É-me imensurável,
As vezes em que sonhei estar contigo e,
Não pude, pelos tormentos que afligiram-me demasiadamente.
Volto para restaurar o que se perdeu,
Para contempla a face de quem um dia,
Repudiou-me para todo o sempre.

Se bem que, é tempo demais.
O tempo passa tão veloz,
Já esquecera-me de como é enxergar o mar.
O mar existente neste mundão imenso.

Vejamos o que há por traz dos mistérios,
Vejamos o que há a ser feito de nós.

Bela poesia minha,
Bela poesia tua,
Bela poesia nossa.