NO CAPÍTULO INICIAL
O tempo passa tão depressa, e os olhos alegram-se com o fato de não poder seguir
os passos de minhas vontades. Embriago-me de certa maneira, mas, me convenço
de que tudo não passa de desânimo, quando penso que, pela janela, eu posso ter
ilusão de te ver. Desde a última vez, meu entusiasmo em escrever as cartas, são
reflexos seus. Sim, pois a dor a sentir em meu peito, preserva em mim, um pouco
da humanidade ou insanidade. (CARTA AO EDITOR).

Os sentimentos escritos na carta ao editor no capítulo um, ainda não havia sido
resgatado. Os sonhos com a Amália, não era de hoje, mas de um passado
inexplicável. A loucura do colunista em sempre se encontrar em sua mente com a
mulher misteriosa, traduz a obscuridade de uma relação tensa. Sim, outras cartas
tinham sido escritas, porém, esta é a mais expressa. Não se sabe ao certo, o que
será feito dela, mesmo assim, uma fuga dos tormentos, faz sentir que nada tem
sentido, quando se lida com a problemática viral.
OS CABELOS DE SANDRA
Sentado na beirada do sofá, o Colunista começa a olhar carinhosamente para
Sandra, tocando em seus cabelos.
O COLUNISTA: – Como dorme!! É linda demais, e eu não entendo os meus
sentimentos. Fazer você sofrer, só me faz desejar abandonar nossos laços, para
tudo não terminar em colapso. A verdade? Cadê? Te busco, porém, não consigo.
Como proceder? Mereces alguém muito melhor do que eu!
Sandra acordar com a última frase, e seus olhos começam a buscar os olhares
profundos da tristeza contida no colunista. O beijo é algo a qual inicia o fluxo da
noite, e inevitável é a não resistência dele. Então, quanto mais os lábios devagar
vão se aproximando um do outro, o desconforto sentimental se abafa.
O COLUNISTA: – Oi!
SANDRA LOPES: – OI!
O COLUNISTA: – Como você está?
SANDRA LOPES: – Confusa, eu acho – Sem reação.
O COLUNISTA: – Eu procurei ajuda com os sonhos, fui a uma consulta hoje! – Sem
segredos.
SANDRA LOPES: – Que bom, fico feliz! Tenho uma viagem por conta do trabalho.
O COLUNISTA: – Está certo, sem problemas!
Os dois ficam juntos….(música: As lembranças – Zezé Di Camargo e Luciano).

Enquanto isso não acaba, ficamos com a canção em nossas mentes.