Colabore com a Folha de Florianópolis, para que seja entregue a você todo conteúdo, “Assine a Folha”.

Gean Loureiro tenta a seu segundo mandado na prefeitura de Florianópolis, nessa corrida ele apresenta diversas proposto para 2021 a 224. Confiras as principais proposta do Candidato:

QUE FUTURO QUEREMOS PARA FLORIANÓPOLIS?

SAÚDE:

Fortalecer e ampliar as estruturas de atendimento no Norte da Ilha, região que mais cresceu nos últimos anos.

Além das reformas já realizadas nos Centros de Saúde do Rio Vermelho e dos Ingleses e da conclusão do novo Centro do Capivari, que será o maior da cidade, a proposta é construir o Centro de Saúde de Jurerê;

Ampliar acesso e qualidade dos serviços do SUS, com regulação centrada na pessoa; Seguir atuando na diminuição de qualquer tipo de fila de espera, como foi feito com o “Olhar Floripa”, que diminuiu drasticamente a espera por procedimentos oftalmológicos. Manter e aprimorar a classificação da marcação de exames por risco;

Melhorar a resolutividade do sistema de prontuário eletrônico, facilitando a referência e contra-referência entre as unidades e evitando a duplicação de exames e procedimentos;

Trabalhar para que todos os processos de acesso à atenção especializada sejam centrados na pessoa como foco do cuidado, visando o alcance da oferta efetiva do cuidado integral e em tempo oportuno aos usuários;

Aprimorar o uso do Alô Saúde como instrumento importante no diagnóstico a distância de patologias e de orientação de procedimentos e tratamentos médicos, e utilizar o sistema para o monitoramento a distância de pacientes idosos com riscos de agravamento de saúde e impossibilitados de um controle presencial pela família ou cuidadores, sem prejuízo do atendimento domiciliar pela equipe de saúde da família;

Trabalhar pelo viés da prevenção: da gravidez indesejada (em grupos vulneráveis com o implante de longa permanência); do HPV (com vacinação na população fértil até 25 anos); do câncer de mama e do colo de útero (com rastreamento); entre várias outras doenças que podem ser evitadas, poupando tanto os pacientes, quanto o sistema de saúde.

Implementar modelo de atenção à saúde de crianças e adolescentes dentro da rede municipal de educação, com a facilitação do acesso deste público à saúde básica, especialmente oftalmológica e bucal, na própria escola. Mais uma vez: levar o serviço ao usuário.

Os animais não ficam fora dos planos da próxima gestão da coligação Viva Floripa. Além da reforma total da Diretoria de Bem Estar Animal, das milhares de cirurgias de castração, atendimentos veterinários e a chamados de denúncias sobre maus tratos, o trabalho teve muito foco no estímulo à adoção, contribuindo para uma cultura de cidade amiga dos animais. O último ano da gestão foi contratada uma unidade móvel terceirizada para castração de animais nas comunidades carentes. Ampliar essas e outras ações de bem-estar animal, difundindo o controle populacional, o tratamento ético e respeitoso aos animais e a fiscalização e combate aos maus-tratos segue na nossa pauta de saúde pública.

EDUCAÇÃO:

Ampliar programas educacionais, de inclusão, profissionalizantes, vocacionais e o acesso à educação em tempo integral;

Aperfeiçoar a política de valorização contínua de professores e demais carreiras da educação, bem como promover o aprender contínuo, uma vez que este é essencial e se concentra em dois pilares: a própria pessoa, como agente, e a escola como lugar de crescimento profissional permanente;

Criar programas de desenvolvimento de habilidades sócio-emocionais para os alunos da rede municipal de ensino;

Aprimorar, entre professores e alunos, o uso das ferramentas tecnológicas disponíveis e democratizar o acesso à pesquisa e ao conhecimento por meio de ambientes virtuais de aprendizagem.

Aprimorar o uso de ferramentas tecnológicas para vigilância eletrônica, integrando o monitoramento de tráfego com as centrais de polícia na busca de veículos suspeitos constantes na base de dados da Segurança Pública Estadual;

Ampliar o videomonitoramento incorporando tecnologia de reconhecimento facial e análise de comportamento dissonante. Utilização de drones para acompanhamento de atividades nas praças, ocupações e atividades irregulares, segurança de instalações.

Ampliar a participação popular nas decisões que envolvam a segurança dos bairros, construindo junto aos Conselhos um plano de segurança que delimite as prioridades e as metas de impacto nas políticas de segurança pública a curto, médio e longo prazos;

Fortalecer as ações da Guarda Municipal no monitoramento e acompanhamento das vítimas de violência contra a mulher;

Incentivar a colaboração e participação de entidades privadas e da sociedade civil fortalecendo a Defesa Civil de forma transversal, proporcionando maior eficiência nas ações.

Uso de tecnologia de apoio através de aplicativos – Aplicativo SOMOS – Rede Amiga LGBTQI+ para combate aos crimes de homofobia.

Adoção de um sistema de controle nas escolas – Catracas de acesso através de digitais.

MOBILIDADE:

Construir ciclovias em toda a extensão da Avenida das Rendeiras, na Lagoa, até a praia da Joaquina;

Implantar o CIT – Centro de Inteligência de Trânsito, com monitoramento em tempo real;

Viabilizar o transporte aquaviário por meio de estudo dos pontos de atracação para conexão central rápida;

Ampliar o Projeto + Pedestres, para aumentar a segurança dos pedestres e dos veículos em vias de alta conectividade e trânsito intenso; reduzir a velocidade dos veículos motorizados em áreas de grande afluxo de pedestres; incentivar o deslocamento a pé ou de bicicleta como alternativa preferencial de mobilidade. Um piloto do projeto foi implantado nas ruas Álvaro de Carvalho, Esteves Júnior e Tenente Silveira, ambas no centro da capital.

Melhorar o uso de tecnologia nas faixas exclusivas para o aprimoramento de sua utilização e aumento de sua eficiência;

Integrar a rede de transporte municipal e metropolitana, de modo a proporcionar conforto ao passageiro e redução do custo do deslocamento das pessoas entre cidades da Região Metropolitana e a Capital, tornando o transporte coletivo uma opção mais atrativa aos que trabalham na Ilha;

Reconhecer a caminhada como um dos modais pertencentes ao Sistema de Transporte, garantindo investimentos e métricas como forma de ampliar o sistema viário para pedestres.

piloto do projeto foi implantado nas ruas Álvaro de Carvalho, Esteves Júnior e Tenente Silveira, ambas no centro da capital.

Melhorar o uso de tecnologia nas faixas exclusivas para o aprimoramento de sua utilização e aumento de sua eficiência;

Integrar a rede de transporte municipal e metropolitana, de modo a proporcionar conforto ao passageiro e redução do custo do deslocamento das pessoas entre cidades da Região Metropolitana e a Capital, tornando o transporte coletivo uma opção mais atrativa aos que trabalham na Ilha;

Reconhecer a caminhada como um dos modais pertencentes ao Sistema de Transporte, garantindo investimentos e métricas como forma de ampliar o sistema viário para pedestres.

SANEAMENTO BÁSICO E LIXO ZERO

Consolidar  o programa de tratamento local de orgânicos/compostagem como alternativa ao aterro sanitário, cujo edital já foi lançado e estimular a economia circular na cidade;

Trabalhar em um sistema de informação de resíduos para ser referência no Brasil, potencializando a transparência;

Viabilizar o pagamento por triagem nos sete galpões licenciados, que hoje geram renda para 300 famílias e regularizar outros para aumentar a reciclagem;

Escola Lixo Zero: Aplicação do conceito no conteúdo programático do ensino de todas as turmas da cidade, difundindo amplamente o conceito na rede educacional.

Intensificar a fiscalização permanente nos balneários e incentivar a ligação de esgoto residencial as redes públicas coletoras;

Estudar a viabilidade de um projeto de regularização do esgoto das edificações, com aporte financeiro para as áreas de interesse social;

Acompanhar e exigir a aplicação do Estudo de Concepção do Esgotamento Sanitário a ser estabelecido pela concessionária do serviço;

Exigir a expansão da oferta de serviços de esgotamento sanitário e abastecimento de água em velocidade compatível com o crescimento da cidade;

Proceder a dragagem de rios poluídos e assoreados, a implantação de parques lineares e lacustres nas áreas das faixas marginais de proteção dos corpos hídricos associada à renaturalização dos cursos d’água, e o resultado das Unidades de Conservação criadas nos últimos anos;

Melhorar e integrar a gestão das unidades de conservação;

Na questão da água, trabalhar a concepção geral do sistema, para dar segurança hídrica a Florianópolis e garantir abastecimento para as futuras gerações. Exigir da concessionaria o cumprimento dos índices de perdas previstos no contrato;

No tema habitação, estudar a oferta de assistência técnica para reformas ou novas habitações de interesse social, para adaptação aos melhores padrões ambientais. Ainda em habitação, ampliar a regularização fundiária de interesse social em Florianópolis.

TURISMO:

Requalificar as ruas especializadas em comércio com padrões urbanísticos adequados para incrementar o turismo de compras;

Aperfeiçoar os Roteiros Históricos, Temáticos, Arquitetônicos, Culturais e Gastronômicos de Turismo, bem como expandir e qualificar a sinalização turística na cidade de forma integrada com os municípios da Região Metropolitana;

Desenvolver o Ecoturismo a partir das Unidades de Conservação;

Captar eventos nacionais e internacionais de esporte, saúde, educação, inovação, tecnologia, feiras e exposições, movimentando, assim, o turismo além da temporada de verão.

INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO:

Fortalecer o observatório receptor de ideias para atrair talentos das atividades criativas e empreendedoras das regiões da cidade;

Estimular o desenvolvimento, em parceria com a iniciativa privada, de um polo de capacitação e incentivo aos segmentos do audiovisual, além de ministrar cursos regulares voltados para as linguagens de animação e publicidade e preparar os interessados para inserção no mercado de trabalho e na indústria cinematográfica.

Fortalecer as frentes de trabalho emergenciais, aumentando a oferta de trabalho para cidadãos em situação de vulnerabilidade social na realização de tarefas em equipamentos e serviços públicos municipais;Promover, incrementar, preservar, capacitar e divulgar a comercialização do Artesanato Florianopolitano, resgatando as formas tradicionais e típicas de expressão da cidade, contribuindo para o desenvolvimento das vocações e para a geração de renda e inclusão econômica do artesão;

Reinserir os cidadãos no mercado de trabalho através da capacitação para vagas, elaboração de currículos e regularização de documentos;

Fortalecer as vocações econômicas de cada região da Ilha e do Continente, construindo uma relação

coordenada entre os diversos setores públicos e privados da cidade, elaborando um Plano de Desenvolvimento Regional com vistas a analisar os pontos fortes e fracos para se empreender;

Envidar esforços junto à Superintendência da Região Metropolitana para promover os interesses comuns aos municípios, a exemplo de soluções na mobilidade urbana, geração de empregos, saneamento e abastecimento de água;

Estimular o desenvolvimento econômico do Centro Histórico Leste, região que enfrenta desafios econômicos e sociais. É uma área com grande potencial de desenvolvimento econômico, que começa a receber investimentos em ações da economia criativa;

Trabalhar na direção de fazer de Florianópolis uma referência em turismo criativo, tecnologia, economia criativa e saúde e bem viver. Uma cidade inteligente, criativa e sustentável. Florianópolis tem como principais destaques a tecnologia e o turismo como fontes de desenvolvimento econômico do município e é muito importante que essas duas matrizes econômicas se unam para possibilitar um futuro melhor para a cidade;

Implantar ações sugeridas no Pacto Floripa, plano que concentra respostas do setor produtivo e da cidade em decorrência da pandemia e orienta empreendedores, empresários e executivos num processo de retomada mais sustentável;

Promover a interlocução com governo federal para a ampliar as políticas públicas para a pesca e maricultura;

Priorizar a legalização da cadeia produtiva de produtos de origem animal, por meio do fortalecimento do Serviço de Inspeção Municipal (SIM) e combate ao comércio clandestino;

Valorizar a produção familiar e os pequenos produtores de Florianópolis, mediante ampla divulgação e incentivo à população para consumo de alimentos locais;

Fomentar a ampliação de hortas urbanas no município através do fortalecimento do Programa Cultiva Floripa;

Lutar por uma política pública de apoio e desenvolvimento da maricultura e da pesca artesanal;

Defender as regularizações dos ranchos de pesca e de maricultura;

Interceder pela  desburocratização na legalização das pequenas agroindústrias no município;

Apoiar e incentivar as políticas públicas de implantação de hortas comunitárias, residenciais e de reciclagem do lixo;

Estimular políticas públicas de comercialização de produtos agrícolas locais em feiras livres.Reivindicar  a introdução de pescados e hortaliças orgânicas produzidas localmente na merenda escolar do município.