Um estudo desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), pelo Grupo de Estudos em Nutrição e Estresse Oxidativo (GENEO), mostrou que o consumo diário de 200 mL de polpa de açaí ou de juçara durante 30 dias promoveu aumento do HDL-c (colesterol bom) e melhorou a defesa antioxidante de adultos saudáveis. O trabalho fez parte da tese de doutorado da nutricionista Sheyla de Liz Baptista, defendida em julho de 2020, sob orientação da professora Patricia Faria Di Pietro.

Nos últimos anos, houve um aumento na popularidade e no consumo do açaí, um fruto proveniente da palmeira Euterpe oleracea, nativo da mata amazônica, especialmente na região norte do Brasil. O fruto juçara é parecido com o açaí, porém produzido por uma espécie de palmeira diferente, a Euterpe edulis, cultivada nas áreas litorâneas de Mata Atlântica, principalmente nas regiões sul e sudeste do país. A palmeira juçara é mais conhecida por produzir um palmito comestível – o palmito juçara. Porém, com o corte da árvore para produção de palmito e devido à ação extrativista exacerbada, a palmeira juçara corre risco de extinção. Assim, a utilização de seus frutos é uma alternativa que vem sendo incentivada para a preservação da espécie.

Conforme destaca Sheyla, o açaí e a juçara são alimentos ricos em nutrientes benéficos à saúde. São fontes de gorduras boas, fibras alimentares, vitaminas, minerais e elevado poder antioxidante. Esses nutrientes podem auxiliar na saciedade, diminuindo a sensação de fome, contribuem para a saúde cardiovascular, ajudam a diminuir a inflamação e melhorar os níveis de açúcar no sangue, além de combater os radicais livres que, se estiverem em excesso no nosso organismo, podem provocar diversas doenças. Muitos dos benefícios relacionados à ingestão de açaí e juçara, entretanto, foram verificados somente em estudos em animais. “Além disso, os poucos estudos que investigaram os efeitos da ingestão de açaí e juçara em seres humanos, avaliam os efeitos de um ou do outro fruto isoladamente. Diante disso, esta pesquisa se propôs a avaliar os prováveis efeitos benéficos do açaí e da juçara em adultos saudáveis, comparando os efeitos da ingestão desses alimentos”, explica a nutricionista.

Trinta pessoas consumiram polpa de açaí e de juçara durante 30 dias, com um intervalo também de 30 dias entre o consumo de cada uma. Após esse período, as pesquisadoras verificaram que ambas aumentaram o HDL-c (colesterol bom) e melhoraram a defesa antioxidante do organismo, sendo que o açaí promoveu aumento em quatro marcadores de defesa antioxidante (capacidade antioxidante total; duas enzimas antioxidantes: catalase e glutationa peroxidase; e índice de estresse oxidativo) e a juçara em um marcador (enzima antioxidante catalase). Sheyla salienta que não foi possível, porém, afirmar que os efeitos do consumo de um alimento foram mais promissores que do outro. “Estatisticamente, ambos mostraram benefícios semelhantes. Essa foi uma pesquisa comparativa inicial, mais estudos de médio e longo prazo devem ser realizados para expandir os conhecimentos científicos sobre esses alimentos na saúde humana.”

O estudo recebeu apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de concessão de bolsa de estudo de doutorado.