Amanhã (12/12), o aniversário de cinco anos do Acordo de Paris será celebrado pela Cúpula da Ambição Climática organizada pela ONU e pelos governos da França e do Reino Unido. O encontro virtual servirá para os países apresentarem seus novos compromissos climáticos.

Segundo Climate Home, a expectativa é de que cerca de 30 países anunciem compromissos de descarbonização e 50 apresentem suas novas Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) para o Acordo de Paris, com mais ambição. Como comentamos em outra nota, o Brasil muito provavelmente não estará entre os países com espaço para discurso no evento, rejeitado por conta da insuficiência de sua nova NDC. Outros países também foram barrados pela mesma razão, como Austrália, África do Sul, México e Estados Unidos.

Em entrevista à Reuters, o ex-ministro francês Laurent Fabius, que chefiou a delegação francesa nas negociações na COP21, afirmou ter esperança de que, depois de cinco anos atribulados, finalmente o Acordo de Paris possa “decolar”. Na mesma linha, a diplomata Laurence Tubiana, uma das arquitetas do Acordo de Paris, defendeu em artigo na CNN que, mesmo depois de tantos desafios, o regime climático segue resistindo e funcionando, com diversos países reforçando seus compromissos e os cidadãos incorporando a ação climática em suas demandas para o governo e as empresas.

Já a ativista jovem Greta Thunberg é menos otimista: ao Guardian, ela lamentou que o mundo esteja cada vez mais distante de um futuro com clima seguro para as próximas gerações. “Quando se trata da ação imediata de que precisamos, ainda estamos em um estado de negação completa, pois perdemos tempo, criando novas brechas com palavras vazias e contabilidade criativa”.

Em tempo 1: No UOL Ecoa, Mara Gama fez um breve balanço dos cinco anos do Acordo de Paris e destacou os principais pontos na agenda de negociação para a implementação do Acordo nos próximos anos, em particular a revisão das NDCs e a questão do financiamento climático, ponto que ainda divide fortemente países ricos e pobres.

Em tempo 2: Um grupo de 450 personalidades, entre artistas, cientistas e ativistas femininas, apresentou um manifesto nesta 5ª feira (10/12) cobrando o governo do Reino Unido, anfitrião da próxima Conferência da ONU sobre o Clima (COP26), a garantia de uma representação igualitária de mulheres na delegação do país que lidera a organização do encontro. A equipe atual é composta totalmente por homens, o que gerou um grande incômodo no Parlamento e na sociedade civil britânica. Entre as signatárias, estão as atrizes Emma Thompson e Emma Watson, a cantora Ellie Goulding e a ex-presidente da Irlanda, Mary Robinson. BBC, Financial Times e Reuters deram mais detalhes.