O livro a estar na caixa prateada, conta a respeito de Amália e Daniel, e como a sua ligação é forte. Mesmo sem saber o que iria ler, Amália foi a fundo, não perdendo cada detalhe, imagem colada, para trás. Durante o massacre, duas crianças nasceram. Gabriel Muller e Helena Lopes se conheceram em Paris, quando ele estava encarregado de fazer uma reportagem sobre o que estava acontecendo na cidade. O horror tomava conta das pessoas.


Helena buscava cópias de fotos para guardar consigo, pois era uma grande modelo de renome. Houve os disparos, e Gabriel se atirou na frente, na intenção de salvar a mulher. Aos poucos o amor entre eles foi surgindo.


Dois meses depois, Helena já se encontrava grávida de dois filhos, um casal. A situação dela era grávi. Custou completar exatos oito meses de gestão. A leucemia havia agravado dia após dia. Uma semana antes de completar os nove meses, teve que ir às pressas ao hospital. As crianças nasceram bem, mais a mãe não resistiu ao parto, vindo a óbito.

O Pai desesperado, não sabia como criá-los, e os entregou a suas irmãs. Amália ficou sob os cuidados de Isabel Muller, já Daniel, encontrava- se com Jezabel Muller. Uma forma de mantê-los a salvos.


Em 1984, Isabel, veio a falecer de causas naturais, entretanto, não foi essa a verdade, seu marido Oswaldo Montenegro, era um homem violento demais, e os seus ciúmes não eram somente referente aos homens que se aproximavam de sua esposa, mas da menina, pois Isabel não poderia ter filhos, isso o consumiu com bebidas constantes e abusos violentos, chegando a violentar a jovem quando tinha acabado de fazer dezoito anos de idade.


Dois dias antes do falecimento, a criança havia sido enviado aos cuidados da avó materna, Emília Lopes, a fim de obter a sua segurança contra o marido. O contato com Daniel se deu apenas uma vez, na primavera de 1989. Oswaldo Montenegro, perturbado, tentou ir várias vezes a casa de Emília para trazer a menina de volta, e por esta razão a mãe materna, sozinha, pois a cerca de um ano atrás havia perdido esposo em um acidente de carro, saiu da cidade luz, fixou moradia em Londres, Inglaterra.


Em 1990, Oswaldo vem a sofrer de câncer, o matando-o em pouco tempo. Não se sabe ao certo, quais os motivos, mas Daniel ficou oculto, e sem saber sobre nada, nada da existência da irmã, do mesmo modo Amália. A conexão era tão forte, imaginável, sustentado por algo divino, talvez, que os sonhos vinham sem esforço.


Havia lacunas a serem preenchidas. As fotos e o livro, foram escritos pelo pai, entre 1992 e 1993. Certa noite, o anjo Amitiel lhe visitou para lhe guiar ao Paraíso. E como em 1970, o tal diário estava com o anjo? Bem, mistério de Deus! E isso, não se tem explicação, se não, deixa de ser mistério.

ÚLTIMA SEMANA DE O COLUNISTA