O ano que se encontra,

Manifesta a sua riqueza,

Transborda de luminescência,

A alma a qual se contempla!

Que haja a paz nesta Terra,

Com saúde e a inspiração,

Transformando quem somos,

Neste longo caminho,

Rumo a felicidade que está,

No fim de um longo estradão.

Lembremo-nos de nos amar!

E dessa verdade, se olhar,

Como anjos sem asas,

Mas que são fontes a nos guardar.

Que o coração de todo o mistério,

Seja a forma indispensável,

De nos fazermos anunciar:

Feliz, dois mil e vinte e um,

Que o abraço não vai demorar.