Isabela Toledo Colunista da Coluna de Educação

Saber como iniciar um ano letivo é uma das coisas mais importantes para o sucesso de todo o restante do ano. Precisa ser muito bem planejado e executado. Nesse início, muitas coisas se definem. Sabe aquela frase bem conhecida, “A primeira impressão é a que fica?”. Então… é mais ou menos assim. Ainda mais quando se sabe que os pais e familiares estão acompanhando tudo pelo computador, querem conhecer os professores e analisam todas as atitudes construindo opiniões e gravando impressões que podem permanecer por muito tempo.

Existem coisas que não podem deixar de acontecer. Como sempre digo, fazem parte dos rituais de início. Mas 2021 é um ano especial. Os rituais foram redesenhados para atender aos protocolos de segurança e saúde. Mas isso não exclui a necessidade de que eles aconteçam.

Então, primeiramente vou pontuar o que considero muito importante para um início de ano organizado, e depois vou comentar alguns erros que vi por aí, observando a primeira semana de várias escolas.

Analisar essa primeira semana é super importante pois, se algo não saiu como o planejado ou ficou no esquecimento, ainda dá tempo de fazer um resgate e salvar a imagem da escola, professores e a credibilidade dos pais. Pode ser difícil, mas não impossível!

Vamos lá?

  1. Primeiro encontro com os alunos: todos estamos muito fragilizados com os diversos efeitos da pandemia. Por isso o primeiro encontro é tão especial. Podemos até fazer uma analogia com o primeiro encontro de um casal. Roupas bonitas, perfume, cabelo arrumado, os temas das conversas, onde será o passeio, o que vão comer…. Tudo é pensado para causar a melhor impressão possível e fazer o outro se interessar e até mesmo se apaixonar. O primeiro encontro com os alunos também precisa assim! Acolher, fazer com que se sintam bem, ter uma conversa agradável, transmitir segurança e credibilidade precisam estar entre os objetivos do primeiro encontro. O professor precisa encantar, fazer os alunos se interessarem pela sua disciplina e até mesmo provocar uma empolgação pelo estudo que pode amadurecer e vai transformar a aprendizagem em algo desejado e inesquecível.
  2. Conversa com a coordenação/ direção escolar: em algum momento da primeira semana, é importante que os alunos conheçam a direção do colégio, a coordenação pedagógica, outros membros da equipe (orientadores, disciplinários) e entendam as funções e como podem ajuda-los durante o ano. Esclarecer e demonstrar a efetiva acessibilidade à toda a equipe traz segurança e mostra que existem muitas pessoas empenhadas no sucesso do aluno e da família.
  3. Aulas inaugurais: o início de uma disciplina também é um evento! Enxergar dessa maneira ajuda a preparar algo marcante para a turma. É um ato de respeito para com os alunos explicar a definição e o propósito de se estudar aquela disciplina. Se o aluno sabe porque, para que, e para onde está indo, tenho certeza que a caminhada será mais assertiva. Não custa nada deixar clara a programação do ano ou da etapa, explicando também que durante a “viagem” coisas podem ser acrescentadas ou até mesmo retiradas pois os processos de ensino e de aprendizagem são muito dinâmicos e adaptação e flexibilidade são competências essenciais que serão colocadas à prova durante todo o ano.
  4. Projetos especiais, grêmios estudantis, conselho de pais e outros: se a escola possui projetos institucionais, a primeira semana é o momento de apresenta-los à comunidade escolar para que todos trabalhem juntos, em colaboração e com objetivos corretos em comum. Também é momento de abrir discussões sobre representantes de turma, padrinhos das turmas, funcionamento de grêmios dos estudantes e conselhos de pais e famílias. Mesmo que as definições sejam concretizadas durante o primeiro mês, é na primeira semana que se acende as luzes da curiosidade e a vontade de participar e colaborar.
  5. Avaliação diagnóstica: essa é uma atividade muito importante e que, por isso, ganhará destaque em um artigo exclusivo!
  6. Retomada dos conteúdos essenciais: todo bom professor sabe que não adianta caminhar para frente se existem conteúdos que não foram bem compreendidos e assimilados. Não é perda de tempo fazer retomadas. Pelo contrário, é garantia de uma boa aprendizagem.

Essas são algumas coisas que considero bem relevantes para iniciar o ano. Observando o início de diversas realidades, vi coisas bem interessantes e outras preocupantes. Vi escolas que já iniciaram o ano com professores que nem mesmo se apresentaram aos alunos e aula terminou sem que soubessem o nome dele. Vi escolas em que a semana inteira passou como se fosse uma continuação do ano passado e nenhum aluno  ou turma recebeu a visita (virtual) da direção e nem da coordenação pedagógica. Vi alunos que não sabem ainda os conteúdos que irão estudar este ano e nem o que devem fazer. Também vi alunos comentando que alguns professores estão dando a mesma matéria de anos anteriores e que estão perdendo tempo. Tudo isso é fruto de uma organização ruim, e de uma comunicação falha e ineficiente. Explicar nunca é demais!

Se você, coordenador ou diretor, percebeu que poderia ter feito algo diferente, esse é o momento do resgate. Aproveite a pausa do feriado de carnaval e faça, ou refaça, o que analisou ser importante. Se a primeira impressão não foi tão boa quanto você queria, transforme as coisas agora! Não deixe para o final do ano, e não menospreze a força dos rituais de início. Isso pode determinar a fidelização dos alunos e famílias e a credibilidade que eles tem na sua escola. Dê a volta por cima! É possível!

E se sua escola fez coisas mais interessantes e criativas, conta pra gente! Escreva nos comentários! Compartilhe as boas ideias!

“Criar condições de ter uma participação mais ativa dos alunos implica, absolutamente, a mudança da prática.

A inovação é uma das formas de transformar a educação.

Thuine Daros

Não perca os próximos artigos da série “O home office do Coordenador Pedagógico”:

– Avaliação diagnóstica dos estudantes;– O dia a dia do coordenador e suas habilidades essenciais