As Unidades de Pronto Atendimento contam com oito pacientes aguardando por uma transferência para hospitais da região. No local os pacientes são atendidos com cilindros de oxigênio, mas o indicado é a internação hospitalar. Até o momento, não há falta de oxigênio nas UPAS.

As Unidades de Pronto Atendimento não realizam internação, mas dão suporte até que os pacientes sejam encaminhados para hospitais. Há algumas semanas os cilindros de oxigênio eram carregados em média 3 vezes por semana. Atualmente, estão sendo gastos 6 a 12 galões de oxigênio.

Apesar do alto consumo, a administração municipal não está com falta de entrega deste serviço, até o momento. A Prefeitura possui contrato em vigor que garante o fornecimento de cilindros de oxigênio.

A administração municipal reforça que casos de nova variante já foram identificados na cidade, que é identificada como mais transmissível.