Levanto pela manhã e minha mente se pega a pensar em teu jeito! Não é um absurdo isso, já que minha alma tende a sentir seus versos, através do teu olhar. É Como se a cada momento, me fosse faltar o ar, e minha

respiração, nunca mais voltaria a ser normal. Busco o dia inteiro, ter um pequeno instante contigo, num encontro sutil, na esperança de sondar tua essência.

Nisso, sei que no silêncio do meu deserto, a inspiração irá se comportar de maneira intensa, e meu olhar poético, mostrarão os teus traços, dos quais estarão livres como o vento, nas linhas de minha jovem poesia. Jovem, porque é atual e nunca antes escrita. Uma carta como esta vinda da mais fina delícia: a iluminação poética, supostamente, deveria ser postada no segredo de um coração, capaz de ter coragem…

Coragem para ser devidamente entrego por minhas mãos. Porém, isso é impossível. Reconheço as dificuldades que muitos amores, nos tempos do romantismo, tiveram que enfrentar, só pelo fato de amar demais. Ser apenas eu é o mínimo. Outro caminho que não seja o de esconder sentimentos em meio às palavras se torna inviável. Entretanto, existem vilas, onde isso não é um mistério. Quem tem uma página, tem tudo!

Por isso, posto em um blog, sem ter medo de nada. Um poeta pode fingir ou falar a verdade. Quem é que vai compreender se o que escreve é comigo ou fala-vos de outra pessoa conhecida? Percebo, o quanto tenho lamentado, por não poder ter um minuto para mostrar ao sonho de anjo, todas as minhas obras. Será que não estou omitindo meus desejos, a fim de que eu não dê espaço para os acontecimentos?

O Eu, nem sempre sou eu! Muitas vezes, me embriago de uma personificação, no qual, posso dizer coisas, tendo significados verdadeiros, contudo, ele se apresenta com significados ilusórios. Quero adormecer… E viver uma noite de transformações viáveis aos meus textos. Saberei, um dia, a oportunidade certa, para não ficar de fora das nuances de uma experiência humana. Enquanto isso vou contemplando as ternuras vivificadas.