Oz de Oliveira Colunista de Coluna das Crônicas

E se fosse-nos nós os homens que tentarem a paz … E foram calados exterminado as por falta de verdade ,de outras épocas a paz que alvejamos agora a luta a laputa engrenagem sangrenta sem título de jornal a fumaça o esquecimento as folhas amarelas que o vento varre por velhas tumbas que do tempo só ficou a lapide de jaz um sonho tempos de lutas dias difíceis que mata até a flor na janela com monoxido de carbono um leve tom de esperança!


Antes que venham os tanques ofereça me o homem mau uma só noite de dança ,mais por favor não me interrompa antes do sol raiar !! Poucos viverão. Para nós os que sobreviveram parabéns contemplem o sol. Poucos verão mais aqueles poucos que verão sairão de suas cavernas se abrindo como gira sol para um novo Sol, por isto de a mão ao seu inimigo. Veja o fogo que cai do céu desta terra que dizem ser de Deus poucos sobreviveram mais os poucos que resistirem falaram uma nova língua conheceram as 5 artes liberais e não terão mais a morte como herança nesta nova terra que é de Deus ao homem.

Não cabe todo a sabedoria pois já dizia Salomão tudo que, o homem faz debaixo do sol é pura vaidade também disse; Alexandre, o grande depois de conquistar toda a Assia e estar prestes a morrer em um lugar longe de casa, mesmo se o homem conquiste todo este mundo suas mão ainda vão continuar vazias Gengis Klan outro grande conquistador do passado foi esquecido como uma nuvem se vai para alem do orizonte resumindo todos as glórias deste mundo é apenas correr atrás do vento e nada mais eu me pergunto eu te pergunto quanto você fechar os seus olhos para onde você vai?