A Musa

Ah! Por tua delicadeza,

Traça em seu sorriso,

A sensibilidade do olhar.

A boneca de porcelana.

Sim! Verdadeiramente es,

A montanha que leva a acreditar que,

Ser musa, e acrescentar algo a mais na poesia terrena.

Por isso que sou poeta.

Um abraço, e a palavra de um verso,

No qual entra na alma e como um mar,

Invade oceanos à procura de um abrigo sincero.

Rever cada menina de encantos,

Naturalmente revigora-me como pessoa e,

Transmuta o meu ser de pensamentos,

Onde meus pés não são capazes,

De caminhar por si só.

Como negar tanta beleza e carisma?

sois mais valorosas do que pensas.

E negar o que tens no coração,

E estar negando a si mesma.

Engrandece minha alma poética!

Por seres rica de conhecimento que lhe foi dado.

Assis, a da musa que tanto de apraz.

Já que a alma dela contempla a sua, poeta.

Que nenhum dia chova de mais,

Nem tenha chuva de menos.

Essa chuva de água torrente que,

Molha as pastagens e as plantações.

Viva na poesia musa,

Na certeza que estarás nela,

Como eu estou e sempre estarei,

A escrever a seu respeito.