RESTAURANTE E CAFÉ LOBOS, 21:00

Sentada, esperando Juan Pablo, Ayala se encontrava. Um vestido branco, simples, mas que faz diferença para quem deseja estar feliz consigo, e bonita para a pessoa a qual está ansiosa por conhecer cada detalhe da história. Juan Pablo surge, com calça jeans preta, colada ao corpo, camisa social branca.

Juan Pablo: – Boa noite! Tomou a mão de Ayala e a beijou.

Ayala: – Boa noite!

Os dois fizeram o pedido, mas não conseguiram esquivar-se dos olhares.

Juan Pablo: – Quase nada mudou neste lugar.

Ayala: – Como assim? Você morou aqui?

Juan Pablo: – Há muitos anos.

Ayala Pablo: – E por que foi embora?

Juan Pablo: – Precisei me mudar.

Ayala: – Gostaria de saber mais sobre você.

Juan Pablo: – E eu de você. 

Ayala: – Talvez esse seja o momento, não é?

Juan Pablo: – Concordo!

Ayala: – Você primeiro! Sorriu para ele.

Na mesma noite, Matias German espera alguém sair do Restaurante, para que sua alma não venha a se perder, necessita se alimentar por completo. Uma mulher de cabelos ruivos, sorriso largos, se despediu dos amigos. Até um deles queriam levá-la para casa, pois se alterava com a bebida, porém, não quis. Ao deixar o local, vai até o estacionamento. Abriu a porta do carro, de repente, uma sensação fria…

A mulher: Quem está aí? Oi!

Olhou para todos os lados, sem sucesso. Quando ia entrar no carro, Matias German já estava dentro. Perfurando-a com voracidade, todo o sangue deixava de fluir. Poucos minutos, desapareceu sob a noite. A conversa vinha a ser a maneira correta a ser feita na ocasião.

Juan Pablo: – Eu cresci aqui nesta cidade. Fui muito feliz a princípio.

Ayala : – A princípio?

Juan Pablo: – Houve um incêndio no casarão onde era minha moradia. Eu e meu irmão tivermos sorte, contudo, meus pais não.

Ayala: – Por isso saiu da cidade? Sua tristeza e curiosidade eram evidentes.

Juan Pablo: – Sim!

 A vida não é simples para quem se transformou em um vampiro. Não é fácil conviver com isso. Matias veio a fazer a primeira vítima na cidade.