A União Europeia deve apresentar ao Mercosul uma proposta de declaração adicional para dirimir as dúvidas acerca dos impactos ambientais do acordo comercial entre os dois blocos, que segue paralisado por conta da oposição de alguns países europeus. De acordo com Eliane Oliveira n’O Globo, o adendo será submetido pela UE aos países do Mercosul nos próximos meses, e contará com compromissos ambientais complementares para garantir que a intensificação do comércio transatlântico não causará mais pressão sobre a situação de biomas vulneráveis como a Amazônia.

A Presidência da UE, sob exercício de Portugal neste semestre, tem interesse em avançar com o acordo, mas o posicionamento de países como França e Áustria, mais exigentes quanto aos compromissos ambientais adicionais do Mercosul, dificulta o entendimento dentro do bloco europeu.

Enquanto isso, no Mercosul, a escalada da pandemia no Brasil prejudicou a realização da cúpula presidencial marcada para o próximo dia 26. A ideia do governo argentino, que exerce a presidência do bloco neste momento, era organizar um encontro físico entre os chefes de estado da região para celebrar os 30 anos do bloco e impulsionar a mobilização dos países em favor do acordo comercial com a UE. No entanto, considerando a situação sanitária, os governos desistiram do encontro presencial e decidiram realizá-lo virtualmente. A AFP deu mais detalhes.

Em tempo: Na Folha, Marina Dias destacou o projeto de lei apresentado pelo senador democrata Brian Schatz ao Congresso dos EUA que pretende restringir a importação de produtos associados a atividades econômicas responsáveis por desmatamento e destruição ambiental. A reportagem ressaltou o impacto que uma medida nesse sentido pode causar para a balança comercial brasileira: em 2020, o Brasil exportou US$ 170,5 milhões em couro para os EUA, o segundo maior comprador depois da China.