O consumo de chocolate no Reino Unido e na Alemanha é um importante impulsionador do corte de árvores na Costa do Marfim e em Gana. Já a demanda por carne bovina e soja nos EUA, União Europeia e China, como bem sabemos, está associada à destruição florestal na América do Sul, em particular na Amazônia brasileira.

O vínculo direto entre o consumo de produtos como café, chocolate, carne bovina, óleo de palma e outras commodities agrícolas e a ocorrência de desmatamento foi estabelecido pela primeira vez em pesquisa publicada nesta semana na revista Nature Ecology and Evolution. De acordo com o estudo, o consumo das sete maiores economias do planeta é responsável pela supressão média de quatro árvores por pessoa por ano. Os EUA estão acima dessa média, com cinco árvores sendo perdidas per capita por ano. Em cinco dessas economias (Reino Unido, Japão, Alemanha, França e Itália), mais de 90% da pegada de desmatamento aconteceu em outros países, sendo que metade disso se deu em nações com florestas tropicais.

O estudo combinou dados de alta resolução sobre a perda florestal e seus fatores com um banco de dados global de relações comerciais internacionais entre 15.000 setores da indústria de 2001 a 2015. Isso permitiu aos pesquisadores quantificar a pegada de desmatamento de cada país com base no consumo de sua população