As escolas básicas municipais de Florianópolis Beatriz de Souza Brito e José Amaro Cordeiro são as representantes da rede de ensino da Prefeitura no torneio Sesi de Robótica FIRST Lego League – Challenge. Com o tema RePLAY, além de incentivar a prática de atividades físicas, desafia os estudantes a repensarem os espaços para exercícios físicos, competições e brincadeiras com foco no contexto atual e perspectivas para o futuro.

O Torneio Sesi de Robótica Regional de Santa Catarina é uma etapa seletiva do programa Internacional da FIRST voltado para estudantes de 9 a 16 anos. Ocorrerá online nos dias 9 e 10 de abril. Para acompanhar o evento, basta fazer a inscrição no endereço eletrônico: http://sesisc.org.br/robotica.

Nos quatro desafios propostos, as duas equipes municipais aplicam os conceitos STEAM -Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática- na criação de projetos de inovação, constroem e programam robôs para completarem missões em que o objetivo final é se divertir.

Dazumbanho e Onodi

A equipe da Escola Básica Beatriz de Souza Brito, no Pantanal, foi batizada de Dazumbanho Robot, e a da José Amaro Cordeiro , no Morro das Pedras, de Onodi Robot. Elas já estão realizando as missões previstas, como por exemplo o “Desafio do Robô”, quando os estudantes colocam os robôs de Lego para cumprirem determinadas missões em três rounds de 2 minutos e 30 segundos para cada execução. Para realizar as tarefas, o robô pode capturar, transportar, ativar ou entregar objetos na mesa de competição.

Os robôs, que são projetados e construídos pelos próprios estudantes, também são avaliados nas categorias “Design do Robô”, “Projeto de Pesquisa”, com uma solução inovadora sobre o desafio da temporada, e “Core Values”, na qual precisam mostrar que sabem trabalhar em equipe.

Criatividade e imaginação

Para o secretário de Educação, ao desenvolver projetos com a robótica educacional vem à tona a criatividade e imaginação, incentivando o aperfeiçoamento da habilidade lógico-matemática, a capacidade de resolução de problemas e o pensamento crítico dos estudantes.

Conforme Maurício Fernandes Pereira, apoiar a participação neste tipo de evento é fundamental, já que enfatiza o compartilhamento de conhecimentos e ideias, a competição com ética e o estímulo à pesquisa matemática, científica e tecnológica para a resolução crítica de problemas emergentes.

O Departamento de Tecnologias Educacionais da Secretaria de Educação da Capital acompanha os projetos de Robótica das unidades escolares. Na Escola Beatriz de Souza Brito atuando no projeto está a professora de tecnologias educacionais Regiane Aparecida do Amaral, e, na Amaro Cordeiro, Luciano Greis. Os profissionais proporcionam às turmas missões e tarefas que simulam situações reais e de forma lúdica.