As primeiras duas semanas de funcionamento da Aliança Pela Vida, uma alternativa tanto ao Sistema Único de Saúde (SUS) quanto aos serviços privados de atendimento contra a Covid-19, contabilizaram 1.853 atendimentos. Deste total, 53% (982 pacientes) apresentaram melhora no quadro de saúde, 46% (858) estão em monitoramento e 1% (13) foram encaminhados a hospitais ou UPAs. A ideia, fruto de investimentos do setor produtivo, é um suporte adicional para evitar que os pacientes não fiquem sem assistência médica, enquanto as unidades públicas e privadas estão sobrecarregadas. Até agora foram arrecadados mais de R$ 3,5 milhões para o projeto.

“O protocolo do tratamento consiste em diminuir a replicação viral, melhorar os sintomas, reduzir a atividade infamatória, tratar infecção pulmonar secundária, prevenir eventos trombóticos e tratar hipoxemia silenciosa”, explica Gustavo Ayala Duarte, diretor técnico da Help Emergências Médicas, empresa responsável pelos atendimentos.
O contato é disponível pelo telefone 0800 402 0000 e a iniciativa contempla Florianópolis, São José, Palhoça e Biguaçu, nos moldes de atendimento domiciliar e de telemedicina.

Exames gratuitos – O Laboratório Santa Luzia, que integra o DASA, doou 5.935 exames à ação, essenciais para o diagnóstico e tratamento. Serão realizados Antígeno (Covid), Proteína C Reativa, Hemograma, Dímero D e Creatinina. Todos os pacientes terão seus exames para diagnóstico e acompanhamento do estado de saúde.

A força-tarefa que une a Associação Empresarial de Florianópolis (ACIF), a Câmara de Dirigentes Lojistas de Florianópolis (CDL), a empresa ENGIE Brasil Energia, o Sinduscon Grande Florianópolis, a Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), a Associação Empresarial da Região Metropolitana de Florianópolis (AEMFLO), o movimento Floripa Sustentável, a Associação Catarinense de Medicina (ACM), a Federação das Indústrias de SC (FIESC), a OAB/SC, o Laboratório Santa Luzia/DASA e a Intelbras.