Oz de Oliveira Colunista de Coluna das Crônicas


Nestes dias todos pensamos a mesma coisa em que pensar, tenho medo do novo mundo e de tudo que está a acontecer, sei que tem algo estranho no ar, como a inversão dia polos as novas leis da quântica, a massa escura, a vacina, o partido vermelho, a morte do príncipe wilhans. Um novo produto da china, o novo Messias de Israel, as lutas raciais, o preconceito religioso, os que se dizem donos do mundo, a inocência do Lula, o novo discurso do bolsonaro, o meu time que jogo mais tarde.


Hoje no trópico sul está se fazendo um belo dia vejo crianças a brincar no suburguio onde moro notícias na tv me animam o calvinismo se mistura com o karlvinismo, os puptos se aproximam das favelas, mais ainda sei que muitas pessoas falam de Deus sem ter o mínimo de conhecimento de causa. Deus não é tão ruim assim são os homens que compricam brincando de se Deus …
De fato a um mundo novo, um menino nos nasceu tenho muitas espectativas sobre este mundo novo espero leis mais humanas e humanos mais gente como a gente mesmo neste mundo dos homens não devemos nos misturar com os homens deste mundo!


Porém nós os humanos somos limitados e sempre quando temos algo de novo entramos em conflito com nós mesmos é o medo do novo porém, o novo sempre vence e pensando assim é sempre mais fácil achar que a culpa é sempre do outro, porém eu digo que a grande novidade do mundo novo é darmos as mãos e consertar aquilo que não se pode concertar vamos esquecer os limites das fronteira e as cicatrizes da guerra é tempo de paz. ” A guerra não se encerra, a guerra contra a guerra só produz mais um filho para guerra perdoar os seus inimigos é o mesmo que estermina os últimos de seus inimigos”