A 33ª Promotoria de Justiça da Capital está monitorando a situação do tomógrafo do Hospital Florianópolis (HF), que está quebrado, e dos pacientes internados nessa unidade, que necessitam de tomografia. O Ministério Público quer saber  qual a previsão de conserto do aparelho, que é usado, entre outros procedimentos, para o diagnóstico da gravidade da infecção pulmonar por covid-19. 

A Direção do HF respondeu ao último pedido de informações, feito, dentro do procedimento instaurado após o Ministério Público ser informado que um paciente que necessitou de tomografia teria ficado sem o exame porque o aparelho não estava em condições de funcionamento.

No ofício, o Presidente do Conselho Administrativo do Instituto Maria Schimitt de Desenvolvimento de Ensino, Assistência Social e Saúde do Cidadão (IMAS), Robson Schimitt Machado, responsável pela gestão do HR,  informou que o equipamento está sendo consertado, mas ocorreram novos problemas durante a manutenção que exigiram que uma peça fosse enviada à São Paulo para ser restaurada.

A previsão, agora, segundo Machado, é de que o técnico retorne ao HF no dia 26 de abril para instalar a peça e restabelecer o serviço do equipamento.

As apurações já confirmaram que o conserto do equipamento foi providenciado e a peça necessária para que o tomógrafo volte a funcionar foi adquirida pela Associação Amigos do Hospital Florianópolis (AHFLOR), que também arcará com os custos desta manutenção. 

No momento, segundo a direção do HF, os pacientes que necessitam de tomografia são encaminhados a outras unidades hospitalares por meio do Núcleo Interno de Regulação (NIR), setor responsável por este tipo de providências e que está presente em cada hospital que integra a rede de atendimento. 

Ainda conforme os esclarecimentos já prestados pelo hospital nas outras etapas do procedimento instaurado pela 33ª PJ, o paciente que teria ficado sem tomografia foi examinado no dia 22 de fevereiro no Hospital Governador Celso Ramos (HGCR).

Fonte: MPSC