A poesia tem a missão de tornar o ser incessível em sensível, à medida que ele tem contato com a arte poética. São demasiadas verdades, buscadas em meu interior, enquanto te tenho menina, por personificação.

Uma facemadura dos anos passados, no tempo dos nossos encontros a moda antiga, dentro da temporalidade moderna. A poesia é a mulher de tantos nomes. De tantas belezas e cheio de vida, no qual me faz sorrir, mesmo sendo nas cansativas madrugadas.

Somente ela é o amor da minha existência, paixão da minha loucura ser desvairada. Porque a considero uma deusa, é que me revelo ser não mais um poeta, mas um galanteador das noites de penumbra. Um ser mortal, desejando mortuariamente, estar num descanso profundo com a suas linhas nos papeis de anotações. Morrer com a poesia, significa entrar em repouso, para viver eternamente. Nossa espiritualidade é a alma de tudo existir.

E tudo existe pelas mãos de quem nos deu o mesmo sentido de viver. Nunca me digam que a minha poesia não tem alma. Levo comigo a certeza das intimas introspecções de nos dois, fundidos em um só. Todas às vezes, em que nos unimos para contemplar o que há de mais terno, nosso amor, é uma celebração ritualística de como sentimos a presença um do outro e a relação com o sagrado. Não sois profana mulher, nem objeto sem expressão.

Acaso uma deusa mitológica, feita de estatua por artistas, deixa de causar nele uma perfeição amorosa, cuja sintonia e sentimentos, não afloram de dentro para fora? Da mesma forma tu és! Para mim te mostras um deslumbre a se encaixar na minha história. De outra maneira, eu não seria poeta romancista, que vem se enchendo também de pura erudição, dando minha carne para que tu possas penetrar nela. Por isso há manifestação.

Manifestação da metainspiração. Aquilo que vai além da inspiração, não se configura em um estado sombrio, mas em estado de iluminação. Assim, não acontece a autossuficiência da poesia, mas o nascimento de uma ideia. A criação do belo. As verdades são místicas e mistérios, por esta razão, também o tens (poesia-ideia), a mesma definição. Já não sou digno de estar ao seu lado, se em minha imperfeição, eu esquecesse quem sou.