Não é fácil reconhecer o quanto o adormecer está sendo complicado. É como tentar andar sobre o mar e logo em seguida acabar por se afogar. Um banho a qual um ser não tem capacidade de lutar contra, nem de esquecer. A desesperança bate na janela do quarto e, faz cada sentido do corpo perder-se.Mas, ainda se pode ouvir os batimentos do próprio coração. Isso deixa claro, a situação de impotência. Evitar que muitas ocorrências, às vezes são fora do seu controle, nunca será um ato bom. Bom de mais, comparado, até mesmo com a rebeldia de um adolescente imaturo.Em suma, é admirável, passar o dia, e na tenra antes de ver um rosto similar, procurar a boca diminuta, a qual está carregada dos mistérios nas sombras. Uma adocicada vontade de estar no Nepal, tendo a Cordilheira do Himalaia, o momento único de restauração, ou redenção por alguma coisa existente, deixado como parte de uma súbita culpa, insana ou não.Assim, tão distante, eu não consigo estar, porém, pode ser um capricho meu, desejar o tempo, como aliada a necessidade de amar. Então, perceber a vulnerabilidade, talvez seja entender a si mesmo. Antes, citava os mistérios nas sombras. Sim, por que isso?Ah, um diálogo pesado para descrever sentimentos, os quais o véu se mostra apropriado, ele esconde muitas situações, impossíveis e inquestionáveis ao meu modo de ver. Esta carta romancista, soa na imensidão de uma nova maneira de descrever sentidos, a brecha a história de almas, de vidas, de ter a revelação inversa da sua.Coloquemos assim: De quantos momentos, se pode viver na intensidade? Que palavras são motivações a encontrar-se com a pessoa a qual anseia-se por estar completamente envolvida/o? Seja de qualquer maneira, um mistério é sempre a caminhada rumo aos desconhecido, aquele enigma indestrutível. E nesses casos, se torna sombras a vagar pelos pensamentos.Acredito ser ideal elaborar a construção do “palácio de memória”. Digo isso, sabendo das limitações recorrentes de permanecer intacto/a nas lembranças. A quem interessar, o palácio de memória vem a ser uma técnica de memorização a milênios, sobre a memória humana. Quem pode contestar, a possibilidades de adentrar nessa lógica?

 Apoie O Portal Folha de Florianópolis, fazendo uma Doação de qualquer valor. Dados para doação é (Banco do Brasil – Agência 1453-2, Conta-poupança 23.516-4).