Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina e da Universidade do Estado de Santa Catarina mimetizou, em laboratório, uma enzima que pode apresentar duas funções importantes para a medicina e a ciência: tanto pode ser utilizada como biossensor para diagnósticos médicos quanto para clivar o DNA – procedimento que pode contribuir com a cura de doenças. O trabalho foi capa da revista European Journal of Inorganic Chemistry, da casa editorial Wiley, dando relevância mundial à produção científica das instituições públicas do estado.

Para compreender a pesquisa, segundo explica a professora Rosely Peralta, do Departamento de Química, é importante saber que o trabalho com enzimas é de alta complexidade, por isso a ciência tem buscado sintetizar compostos que são capazes de reproduzir – ou, na linguagem técnica, de mimetizar seus efeitos. Ao invés das enzimas, os pesquisadores desenvolvem, então, miméticos.

No caso da pesquisa publicada pelo grupo, que faz parte do mestrado da pesquisadora Alana M. Homrich, o trabalho envolveu um mimético da catecol oxidase, uma metaloenzima binuclear de cobre que promove reações específicas de oxidação. O escurecimento de uma maçã partida ao meio é um exemplo prático de como essa reação permeia a vida cotidiana.

O trabalho desenvolvido a partir da parceria consistiu em mimetizar este composto pensando na reação de oxidação de hormônios como a adrenalina e a noradrenalina. Isso porque tais reações ajudam na identificação de determinados tipos de doenças. “Na primeira parte do trabalho fizemos a caracterização desse processo, que pode contribuir como biossensor no diagnóstico médico”, explica a professora. Isso acontece porque esses tipos de hormônios produzem outras substâncias que podem ser quantificadas, sinalizando a existência de alguma doença e auxiliando no diagnóstico.

Uma segunda aplicação para o composto mimetizado pela pesquisa é a clivagem do DNA, a principal molécula presente nos seres vivos. A interação desse mimético com o DNA possibilita que ele “quebre” a molécula exatamente no lugar desejado – por exemplo, em uma ligação específica que possa ter relação com doenças ou mesmo no ataque a células tumorais.

De acordo com a professora, há muitos pesquisadores trabalhando com a proposta de mimetizar a atividade da catecol oxidase, o que demonstra a importância da parceria de longo histórico com os professores Fernando Xavier e Rogério Gariani, do Laboratório de Síntese & Catálise (SinCa), da Udesc Joinville e também do professor Hernán Terenzi, do Departamento de Bioquímica da UFSC. “Nós escrevemos este trabalho, mas não imaginávamos que poderíamos ser capa da publicação, o que foi uma grande conquista”, reforça Rosely, que continua orientando pesquisas que buscam moléculas capazes de atuar como melhores catalisadoras de reações químicas.

Ajude! O Portal Folha de Florianópolis, fazendo uma Doação de qualquer valor. Dados para doação é (Banco do Brasil – Agência 1453-2, Conta-poupança 23.516-4).

*Tá gostando das noticias? convite outras pessoas para ler; as notícias do Portal Folha de Florianópolis. Apresente o endereço “www.folhadeflorianopolis.com.br”, nos ajude alcança mas leitores.