Amor da minha existência, eu te busco na eternidade de meu eu. E quanto mais penso em te ver no silêncio de minha doce alma, é o sentimento preso em meu interior, querendo de todas as maneiras, sair para gritar teu

nome. Confesso não resistir ao carinho que me tomas e, nisso, ecoa meu corpo, como se uma trombeta tivesse sendo tocada por períodos infinitos. Minha pele espera para contigo poder estar. Nada melhor do que viver um romance.

Enquanto eu poder escrever, terei a sensibilidade de um poeta. Um ser totalmente aberto as energias dos sonhos, e neles se completa nos versos. Há em noites de lua cheia, o saber doce dos beijos, dos quais, tens me roubado há anos. E gosto dessa liberdade de te consumir espiritualmente. Sendo alguém bela, infanta, sem ser verdadeira. Por que sem ser verdadeira? Por seres a personificação de uma musa complexa e cheia de manias.

Manias de viagem! Manias de compor minha história! Manias de amar e não se desvendar por completo. Vejo as tuas obsessões: a loucura de embaralhar minha vida! Percebo tuas mãos, se mostrando arteiras, quando a encostas no meu rosto, desejando arrancar a essência única que tenho. Às vezes deparo com teu sorriso. Às vezes emociono com as comunicações que vai se construindo ao longo do processo poético. Necessito mesmo do teu perfume.

O perfume das florestas, por onde, supostamente, tens visitado. Ergues-te próximo das montanhas, a fim de que, venhas a respirar. E me fazes contemplar a esperança, de um minuto conviver com as rosas brancas. Este é o teu símbolo. A rosa branca mística! Uma forma de traduzir a tua feminidade. A poesia se contorce de ansiedade, por conta das inúmeras seqüências de inspirações, tentando canalizar a luz que emana do amanhecer.

Não irei me lembrar de ti em minha sepultura, querida! Não vou. Sabes que te levarei como um cavaleiro a salvar a donzela para serem felizes num conto de fadas. Não te criei, mas Deus, o Grande Poeta, foi quem gerou a tua personalidade e a deu a mim como dom honesto e gratuito, amando o homem, o qual, também foi moldado à imagem e semelhança. Começo a imaginar nossos últimos momentos, observando o mar, na tranqüilidade de nossas preces.

Ajude! O Portal Folha de Florianópolis, fazendo uma Doação de qualquer valor. Dados para doação é (Banco do Brasil – Agência 1453-2, Conta-poupança 23.516-4).

*Tá gostando das noticias? convite outras pessoas para ler; as notícias do Portal Folha de Florianópolis. Apresente o endereço “www.folhadeflorianopolis.com.br”, nos ajude alcança mas leitores.