Quando lá pela madrugada, a insanidade me obriga a sair da cama, tudo por uma razão que desconheço. É algo que invade minha mente, mas tenho a certeza de que já esteve em minha alma. Um doce veneno, de

súbito, buscar por teus lábios de poesia, mesmo sendo altas horas. Depressa, fui me dar conta de estar sentado, e nas mãos, caneta e um caderno. Não se pode se esconder desses momentos oportunos.

Percebo a sua presença insistente para que eu não volte a adormecer, sem antes, falar contigo! Incontrolável são os sentidos. Eles não me obedecem, e minhas forças e sensações, já não mais se questionam. Sei ser coerente com esta vontade. Embora eu quisesse estar descansando em meu leito, ficando apenas com os sonhos, se é que eles viriam. Tenho um imã me puxando até o processo explosivo de inspirar.

De certa forma, sois exigentes, pois nada me é tão belo que não seja a própria arte de deixar a inteireza dizer o que na realidade pensa. O corpo, anteriormente, disforme, toma forma a cada minuto de escrita, o som das palavras vai se transformando em nossos segredos. Não é conturbada esta situação? Às vezes nem eu compreendo a construção do teu desprendimento para com as coisas humanas, sendo que não sou.

Segredos tão nossos, indiscutível! Podemos conversar durante tempo demasiado, e isso só nos lança ao mundo de ternuras e as cores do imaginário, conduz ao aroma das flores moldadas na perfeição. Vida após a vida. Sim! Em nossas renovações, é que encontramos na existência, maneiras novas de vivenciarmos a vida que ganhamos. O correto dos atos nos banha de energia cósmica, nos dando respiração.

Assim, confesso não me importar com a perda do sono, só vou caminhando para um Céu rico, fazendo meus olhos cintilares. Fernando Pessoa, fala no poema “Súbita mão de algum fantasma oculto” , a sensação de estar sendo sacudido. Acaba, então, por acordar. Sou eu! Sou eu oculto, tentando da mesma maneira, dá um tapa na cara, onde a cantoria da poesia é a verdade querendo se mostrar com suas virtudes.

Ajude! O Portal Folha de Florianópolis, fazendo uma Doação de qualquer valor. Dados para doação é (Banco do Brasil – Agência 1453-2, Conta-poupança 23.516-4, Variação 51).