A verdade nos leva a realidade,

De quem realmente somos!

E como o tempo é uma incógnita,

Também a vida é, e a morte mais ainda.

Tem dias que caímos…

Outros que nos levantamos…

Por um instante, perde-se a paciência,

Assim, com bondade, acalmamos!

Encontro-me em todos esses turbilhões,

Dos quais são incalculáveis,

Mas, é necessário passar por elas,

Como se o mar estivesse a observar os olhos.

Esses olhares meus…ternura e às vezes,

Vejo que estão fora de sintonia.

Aprendo coisas imagináveis,

Por esta razão, manifesta o poeta,

Outrora antigo, por vez,

Também com nova perspectiva.

E saio pelo mundo,

Quando o caminho me leva a ponte segura,

Do encontro do amor com a luminosidade.

Então, convenço de uma sedutora lua,

A qual desponta acima de mim,

Determinando os pontos acertados da história,

Sem data, sem hora e sem lugar!

Quem não reconhece o esplendor do luar,

Não saberá nunca, quando ela descerá até a terra.