Caminho além do que eu poderia, somente para ver o seu incrível rosto. E minhas lágrimas correm feito uma cachoeira a banhar todas as possibilidades da vida. Lembro-me do modo simples do sorriso e, me encho do som das famosas catedrais, quando a sua voz é apenas o eco em mim mesmo. Largada vive a alma a qual se manifesta dócil ao se deparar constantemente com o luar após um dia de luta,

 Sim, parece que venhode outra época, com capa, musicalidade, trazendo a poesiana linguagem humana. Não quero, nem um momento, ser entregue aos chacais!Elesnãotêmcompaixãodomeumundo interno, desejando sempre destruí-lo,retirando de suas raízes, pedaços do vestido da natureza, Acaso, a inspiração podeser tratadade qualquermaneira? Eseus beijosincandescentes, seráuma loucura

Adentro os limites da razão, com a intenção exposta: tomar para a minha memória abeleza da rosa branca, o amor da vermelha, também, o perfume das duas sendoexaladas,tendooventocomoseuajudantesecreto.Procurotaismistérioinvioláveis, porque compreendo que nada sei…Sei…de quase nada da existência.Parar de andarpelas matas dasabedoria, nem estarnos meus planosde sonho.

Há uma expressiva e apressada corrida para se chegar no ponto mais alto daperfeição, eu, vejo disso, uma aventura arriscada, pois o melhor é ser imperfeito, ecom a imperfeição, garantir um pouco do amor. Ah, o amor que queima, deixacicatrizes,transmitindomensagens,muitasvezes,indecifráveisaosquenãoconseguem abrir as portas ao universo. O diário de um poeta, ainda relata, minhaspalavras