Convences-me a adentrar na antessala e,

Antes que a noite caia,

Encaixas suas mãos no meu peito,

A procura da alma que esconde-se.

Liberada (és), para sussurrar palavras,

Que não tratam-se em nada…

De assuntos aleatórios,

Mais que são enxurradas de tulipas.

Das quais conversam-se entre si,

Dizendo o que pensam de mim.

Ao ponto de enlouquecer-me,

Enquanto eu ainda fico estático com a surpresa…

Dada por ti, Helena!

Em circunstâncias inesperadas.

Confesso através de juramento,

Que minha espiritualidade é sua por direito.

Então, nos consagramos aos beijos,

Na mesma proporção de nosso querer.

Porque sei… [os olhos são espelhos],

E eles refletem a sala principal do espírito.