A Polícia Rodoviária Federal, a ANTT (Agencia Nacional de Transportes Terrestres) e a Arteris Litoral Sul pretendem impedir que as motocicletas utilizem as faixas principais da BR-101 no trecho da rodovia entre o km 192 e o 215, de Biguaçu a Palhoça, na Grande Florianópolis. A informação foi repassada aos vereadores de São José, na tarde desta terça-feira (24), durante Roda de Conversa promovida no Plenário da Câmara sobre intervenções previstas na BR-101 em São José.


Segundo o inspetor, Anderson Koerich Lima, chefe do Núcleo de Planejamento e Fiscalização da Delegacia da PRF na Grande Florianópolis, as obras que estão sendo realizadas na rodovia, inclusive a mudança em alguns dos acessos da cidade de São José, fazem parte dessa proposta. Trata-se do projeto “Mudança de hábito”, que também tem foco na mobilidade. A Grande Florianópolis, de acordo com o inspetor, tem a pior mobilidade do País e o trecho do km 200 ao 2011 (São José) tem o primeiro lugar em número de acidentes graves, seguido de perto pelo trecho entre o km 211 ao 2020 (Palhoça), que tem o segundo lugar em acidentes graves.


“Vamos colocar esse projeto em prática, para que se reduzam os acidentes e se promova a mobilidade urbana. Chegamos a um ponto em que não podemos deixar como está”, explicou. A data para início da operação ainda não está definida, pois depende do fim das obras. “No modelo atual, com cruzamentos pelas marginais, isso não é possível”, complementou.


O projeto da PRF está inserido ainda no contexto da ampliação das faixas de rolamento do sentido Norte da rodovia. Essa obra, iniciada em fevereiro, segundo Marcelo Possani, coordenado de projetos da Arteris, também presente no encontro, deve ficar pronta até o final de novembro. Mas, antes disso, diversos trechos estarão sendo liberados, entre eles o do acesso à Via Expressa Sul, que é um dos mais adiantados. É junto com essas obras que estão sendo feitas adequações nos acessos à cidade de São José. O representante da Arteris garantiu que nenhum dos viadutos da rodovia será prejudicado pelas mudanças.


A presidente da Câmara, vereadora Méri Hang, disse que a cidade quer debater não apenas as mudanças em andamento, mas as demais necessidades da BR-101, “que está integrada à cidade de São José”. Ela também está preocupada com a mobilidade e propôs um novo encontro, dessa vez de trabalho, em que as obras aprovadas pela ANTT e outros projetos apresentados sejam levados aos vereadores e debatidos. Os encontros devem contar com a presença do governo do Estado e até de municípios vizinhos. “Nossa cidade é muito dinâmica e a BR 101 acaba se confundindo com ela. Precisamos entender o que já está planejado e se posicionar com relação às necessidades futuras”, comentou.


Por hora, a construção da terceira faixa é a ultima grande obra prevista no contrato de concessão entre a Arteris e o governo federal. Questionados pelos vereadores, Possani e o representante da ANTT, Gilmar Cardoso, ainda garantiram que podem haver mudanças pontuais em alguns viadutos. Futuras ações e necessidades das rodovias como a construção de novos viadutos e travessias da BR-101 dependerão de alterações no contrato de concessão.