Apesar de terem iniciado as operações há pouco mais de 20 anos, as Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) já representam uma parcela significativa da geração de energia no Brasil. Das 1.507 hidrelétricas em funcionamento no Brasil, 547 são PCHs. Em termos de potência já instalada, de acordo com dados da Associação Brasileira de PCHs e CGHs, as PCHs estão em 5º lugar entre as fontes de energia do país, com mais de 7.138.988,54 kW gerados. Apesar de representarem mais de um terço das geradoras de energia do Brasil, as PCHs ainda enfrentam desafios para conseguir acesso a tecnologias inovadoras que podem revolucionar o dia a dia e tornar a operação mais eficiente e produtiva. 

Isso acontece porque as tecnologias criadas para o setor de energia são desenvolvidas para grandes usinas hidrelétricas ou parques eólicos e tem um custo compatível com esse mercado. Com orçamento enxuto para investir em soluções tecnológicas, muitas vezes as PCHs acabam abrindo mão de usar tecnologia de ponta em alguns setores por falta de recursos. É o que acontece com tecnologias que facilitam a O&M. “Quando conversamos com profissionais que atuam em empresas desse porte, o que ouvimos é que, por mais que a tecnologia possa facilitar muito as rotinas de trabalho, o custo é inviável”, conta Emerson Ancini, Diretor Comercial da AQTech, empresa que desenvolve soluções para monitoramento e diagnóstico de ativos de geração de energia. 

A empresa, que está no mercado desde 2004, acompanhou o crescimento da quantidade e da relevância de PCHs no setor energético no Brasil e, por isso, decidiu investir em uma tecnologia capaz de aliar alta performance e custo acessível para atender esse mercado. “A AQTech busca, desde o começo, ajudar na evolução do setor energético por meio da tecnologia. Então, quando entendemos que existia uma demanda no mercado de PCHs que não era atendida pelas soluções mais robustas, desenvolvemos uma ferramenta acessível comercialmente para as necessidades desse segmento”, explica o CEO da empresa, Sylvio Ramos Filho.

O VibraOne Hydro Lite, solução desenvolvida especificamente para as necessidades de PCHs e CGHs, é uma ferramenta completa e de fácil implementação para o monitoramento e identificação de possíveis falhas em hidrogeradores de pequeno porte. O sistema realiza o monitoramento e o registro contínuo das condições operativas das unidades geradoras, detectando anomalias e permitindo a validação constante do funcionamento e desempenho dos sistemas de campo. Com isso,  aumenta a confiabilidade de geração.

A solução é composta por hardware e software, com sensores que são instalados nos ativos e monitoram diversas variáveis, como vibração, pressão, temperatura, etc.. Esses dados são armazenados em uma base de dados, e através de software específico permite a avaliação da condição operativa da máquina em conjunto com os dados recebidos do sistema supervisório local, como potência, abertura da turbina, queda, etc. Todas essas informações podem ser visualizadas em tempo real com análise de tendências, eventos e registros de perturbações.

A ferramenta de diagnóstico automático agiliza o processo de detecção de problemas na unidade geradora, enquanto funcionalidades de estratificação e extrapolação permitem uma visão de prognóstico do ativo. A integração com o sistema de supervisão local permite a automação de ações de manutenção conforme os resultados do monitoramento. O sistema faz de forma automatizada a identificação de modos falhas nos ativos, como desalinhamento angular, desalinhamento paralelo, desbalanceamento, problema nas pás, rotor em balanço, defeito nas sapatas e folga. 

Com essas informações em mãos, Emerson explica que a equipe de gestão de O&M consegue direcionar a atenção para os ativos que apresentam falhas, otimizando o trabalho e tornando o processo mais ágil e preciso. “O sistema de monitoramento preditivo permite que a equipe saiba não só quais ativos priorizar como qual a falha apresentada e em quanto tempo ela precisa ser corrigida” finaliza.  

Sobre A AQTech é uma empresa especializada em soluções inovadoras para monitoramento e diagnóstico de ativos dos setores de energia hidráulica e eólica. Com tecnologia 100% nacional, a empresa está presente em oito países e atende mais de 80 clientes, entre eles a Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG) e a Usina Santo Antônio. Nos últimos quatro anos, a AQTech cresceu exponencialmente e, em 2020, faturou quinze vezes mais que o valor em 2016.