Na minha ilusão e poética visão de mundo, acreditei que a pandemia seria um ato para a humanidade se colocar em contato consigo mesma e perceber o quarto estava sendo cruel com o planeta e com os outros seres humanos e que provavelmente sairíamos todos melhores desta pandemia. Isto foi meu pensamento la em maio de 2020, hoje passados quase 15 meses de pandemia, milhares de vidas ceifadas, muitas delas por descuido da gestão pública de nossa saúde, que sabemos é ruim não é de agora, percebo algo terrível.

A humanidade sai desta pandemia pior do que entrou. Pior pois a economia está ruim e isso causa o desempregado, má alimentação, pior por falta de uma saúde pública, obrigatória para todos, segundo a constituição, mas pior porque a pandemia mostrou o que pode ser pior na humanidade, o egoísmo.

Aqueles que se preocupavam como o outro, exerciam o trabalho voluntário de alguma forma, só pararam por medo da doença, perfeitamente compreensível, mas continuaram com ações ou virtuais, ou de ajuda mais pontual e se desdobraram para continuar e até aumentar sua ajuda neste período. Alguns poucos se uniram em campanhas para arrecadar alimentos, empresas nse uniram para comprar comida e até mesmo insumos para saúde, mas grande parte da população se fechou no seu egoísmo e permanece nesse lugar até agora. Atenção isso não é uma crítica, mas sim uma constatação. A crítica vai somente para os nossos políticos, que não renunciaram a nenhuma de suas poupudas vantagens em prol da população que os colocou lá. Que triste ver estas pessoas dizendo que nos representa. O Voluntariado saiu desta pandemia reforçado, mas por absoluto desempenho e superação daqueles que já prestavam serviço voluntário. Portanto a pandemia veio para explicar quem somos. E somos seres sociáveis e precisamos nos preocupar com o próximo, com o planeta e conosco para que tenhamos uma visão de futuro, não para nós, mas pelo menos para nossos filhos e netos.

Por isso a minha fala é para não convertidos pois quanto mais pessoas falando e entendendo o assunto, melhor para todos.