Um levantamento recente da Catho apontou um aumento de 1.215%, em 2021, nas vagas de emprego que oferecem benefícios como auxílio psicológico ou terapia. A tendência para garantir o bem-estar dos colaboradores se intensificou diante da pandemia, com os riscos à saúde, inclusive mental, dos funcionários. 

A healthtech Zitrus, com sede em Joinville (SC), por exemplo, oferece, desde antes da pandemia, convênio com uma clínica psicológica do município. Com a medida, o custo da consulta é partilhado com a empresa e o funcionário desembolsa R$ 18 por sessão. A desenvolvedora de softwares de gestão para planos de saúde tem 180 colaboradores e acredita que essa é uma maneira de proporcionar mais qualidade de vida aos profissionais. “O propósito da empresa é transformar a saúde no país, mas para isso precisamos começar dentro de casa. Dividir o custo de uma sessão é uma medida paliativa, mas que pode incentivar que mais pessoas busquem atendimento psicológico, e isso é fundamental para evitar o aparecimento e agravamento de doenças”, destaca o CEO da Zitrus, Daniel Torres. 

Mentalidade People First garante melhores resultados para a empresa

O foco nas pessoas também é um dos pilares da Involves, retail tech que desenvolve soluções para indústria e varejo, e tem uma série de programas para promover um ambiente de trabalho saudável. “Na Involves, nosso objetivo é que as pessoas estejam bem, e assim possam entregar os melhores resultados. Para isso, sabemos que é preciso pensar em saúde física, mental, emocional e financeira”, explica a diretora de Pessoas da Involves, Thuany Schultz. 

A empresa conta com o Projeto Jornada do Bem-Estar, iniciativa contínua para garantir um ambiente de trabalho seguro e acolhedor. Entre as ações do projeto estão a parceria com uma clínica que oferece atendimento psicológico e outras terapias, como acupuntura e terapia holística, com valores reduzidos para colaboradores e familiares. 

Pesquisa de clima contínua ajuda a monitorar saúde emocional dos trabalhadores

Além da parceria com convênios médicos com possibilidade de teleconsulta com psicólogos particulares, a Pulses, empresa que tem soluções de clima organizacional medidos de forma contínua, criou a Pesquisa de Bem-Estar Emocional, para mensurar e acompanhar a saúde mental de seus colaboradores.

A ferramenta é dividida em dois temas: “medo e preocupação”, que investiga indícios de fatores que podem estar associados à ansiedade (como falta de concentração, preocupações e perspectivas de futuro), e “exaustão emocional”, que investiga possíveis causas de burnout (como sentimentos de frustração, falta de disposição e necessidade de valorização). O estudo, que foi construído em parceria com a Vittude, está disponível gratuitamente para outras empresas, e ajuda os gestores a investigar melhor as causas da ansiedade e da exaustão emocional na equipe.

A partir dos resultados, é possível criar planos de ação para promover melhorias no ambiente organizacional. Na própria Pulses, por exemplo, já está sendo montado um programa para focar nas principais questões trazidas pelos colaboradores, priorizando a saúde mental, física e financeira do time. “Trabalhar o bem-estar é sinônimo de cuidado com a sua equipe. Ao realizar ações a partir das informações obtidas nas pesquisas contínuas, a empresa demonstra que possui um olhar cauteloso e um interesse genuíno pelo seu time. Além disso, sem saúde mental nenhum colaborador tem produtividade ou motivação para trabalhar, e o sucesso de uma organização está diretamente ligado a esses fatores”, comenta Daliane Felin, coordenadora de Gente & Cultura da Pulses.