Na fixação da pena, o magistrado ressaltou “a alta reprovabilidade da conduta da acusada e a periculosidade de sua personalidade”. Ele negou à condenada o direito de apelar em liberdade e determinou sua imediata prisão.