Notícias

OMS lança novos recursos sobre prevenção e descriminalização do suicídio
INTERNACIONAL

OMS lança novos recursos sobre prevenção e descriminalização do suicídio 

Hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS) lança dois recursos concebidos para fortalecer os esforços de prevenção do suicídio: Prevenir o suicídio: um recurso para profissionais da mídia (atualização de 2023) e um resumo de políticas sobre os aspectos de saúde da descriminalização do suicídio e das tentativas de suicídio.

O suicídio é um importante problema de saúde pública. Todos os anos, mais de 700 mil pessoas tiram a própria vida. É a quarta principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. Cada perda de vidas não é apenas trágica em si mesma, mas também tem efeitos profundos e devastadores sobre famílias e comunidades inteiras.

O suicídio pode estar ligado a factores e desafios sociais, económicos, culturais e psicológicos múltiplos, complexos e interseccionais, incluindo a negação dos direitos humanos básicos e do acesso aos recursos, bem como eventos de vida stressantes, como perda de meios de subsistência, pressões profissionais ou académicas. , rupturas de relacionamento e discriminação, entre outros.

Reduzir a taxa global de suicídio em um terço até 2030 é uma meta tanto dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU como do Plano de Acção Mundial para a Saúde Mental da OMS. São necessárias medidas urgentes para atingir a meta de 2030 e os países comprometeram-se a tomar medidas concretas nesse sentido.

“Cada morte por suicídio é uma tragédia e é preciso fazer mais para fortalecer a prevenção do suicídio. Os recursos lançados hoje pela OMS fornecem orientações importantes sobre duas áreas que são críticas para os esforços de prevenção do suicídio: a descriminalização do suicídio e das tentativas de suicídio e a denúncia responsável do suicídio pelos meios de comunicação social”, afirmou Dévora Kestel, Diretora de Saúde Mental e Uso de Substâncias, Saúde Mundial. Organização.

Descriminalizando o suicídio e as tentativas de suicídio

O suicídio e as tentativas de suicídio são criminalizados nas leis de pelo menos 23 países em todo o mundo e as tentativas de suicídio continuam a ser ativamente punidas em alguns deles. A criminalização do suicídio perpetua um ambiente que fomenta a culpa das pessoas que tentam o suicídio e impede as pessoas de procurarem ajuda atempada devido ao medo de repercussões legais e do estigma.

Com base nas experiências de países que descriminalizaram recentemente o suicídio e as tentativas de suicídio, incluindo a Guiana, o Paquistão e Singapura, o documento político da OMS sobre os aspectos de saúde da descriminalização do suicídio e das tentativas de suicídio estabelece recomendações para os decisores políticos, legisladores e outros tomadores de decisão. decisores que consideram a reforma nesta área.

As principais recomendações centram-se no desenvolvimento de estratégias nacionais de prevenção do suicídio; orçamentação para formação em “pós-descriminalização” para socorristas de primeira linha; estabelecer serviços de saúde mental comunitários orientados para os direitos; formulação de novas leis e políticas relacionadas com a saúde mental que promovam cuidados de qualidade e os direitos das pessoas com problemas de saúde mental e deficiências psicossociais.

“Criminalizar o suicídio só serve para exacerbar o sofrimento das pessoas. A descriminalização do suicídio e das tentativas de suicídio é um passo crítico que os governos podem tomar nos seus esforços para prevenir o suicídio. A OMS está empenhada em apoiar os esforços para descriminalizar o suicídio”, afirmou Nathalie Drew Bold, responsável técnica da OMS.

O documento político também estabelece como a descriminalização salva vidas, reduzindo o estigma e a vergonha associados ao suicídio e promovendo um ambiente onde as pessoas se sentem capazes de procurar ajuda; permitir uma melhor recolha de dados sobre suicídio e tentativas de suicídio, o que pode informar melhor as intervenções apropriadas; e aumentando as oportunidades de sensibilização e defesa em torno da prevenção do suicídio.

Promover reportagens responsáveis ​​sobre suicídio

A quarta edição de Prevenir o suicídio: um recurso para profissionais da mídia , produzida em colaboração com a Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio, resume as evidências atuais sobre o impacto das reportagens sobre suicídio na mídia e fornece orientações práticas para profissionais da mídia sobre como noticiar o suicídio de maneira responsável. .

“A cobertura responsável do suicídio pela mídia é uma ferramenta importante em nossos esforços coletivos de prevenção do suicídio. Ao utilizar este recurso, os profissionais da comunicação social podem ajudar a minimizar comportamentos imitativos através de reportagens precisas, apropriadas e empáticas sobre o suicídio, e encorajar as pessoas a procurarem ajuda vital”, afirmou a Dra. Alexandra Fleischmann, Cientista da OMS.

Existem provas contundentes de que os meios de comunicação social podem desempenhar um papel significativo, quer no fortalecimento quer no enfraquecimento dos esforços de prevenção do suicídio. Por exemplo, as evidências mostram que pessoas vulneráveis ​​(como aquelas com histórico de tentativas ou pensamentos suicidas, ou aquelas expostas ao suicídio) correm um risco aumentado de se envolverem em comportamentos imitativos após relatos de suicídio na mídia – particularmente se a cobertura for extensa, proeminente, sensacional, descreve explicitamente o método de suicídio, faz o suicídio parecer normal ou perpetua mitos amplamente difundidos sobre o suicídio. O recurso oferece orientação sobre como garantir que as reportagens sobre suicídio sejam precisas, responsáveis ​​e apropriadas.

O recurso também destaca evidências crescentes de que relatórios focados na sobrevivência e na resiliência podem levar a comportamentos imitativos positivos e podem contribuir para a prevenção do suicídio. Também estabelece orientações sobre como relatar histórias sobre recuperação e bem-estar mental e emocional.

 



Outras Notícias

Deixe um comentário

Campos Obrigatórios *